PM de Vilhena encontra crianças vivendo em situação sub-humana em boca de fumo

Pai dos menores usava o imóvel da família para traficar drogas

24390

A Polícia Militar encontrou, na tarde desta quinta-feira (12), uma recém-nascida com dez dias de vida e uma criança de três anos que viviam em condições desumanas em uma boca de fumo no Jardim Primavera, em Vilhena. O ambiente é insalubre e com lixo por toda parte. A PM diz que próximo ao dormitório das crianças tinha um cachorro morto em estado de putrefação.

A polícia confirmou a prisão de Geovan Pires Machado, de 25 anos. Ele é pai dos menores e usava o imóvel da família para traficar drogas. Uma mulher de 32 anos, que segundo a polícia se apresentou como mãe das crianças, prestou esclarecimentos e confirmou que ela e os filhos conviviam diariamente com a sujeira e a presença de usuários de entorpecentes na casa. Durante a abordagem da PM dois dependentes químicos foram detidos. Eles consumiam drogas no quintal do imóvel.

Uma denúncia da comunidade levou os policiais militares ao endereço. No local foram apreendidas porções de droga, parte estava escondida na bolsa da recém-nascida, uma bicicleta, um laptop e diversos aparelhos celulares, entre outros eletrônicos. O pai das crianças confirmou que recebia os objetos em troca de droga.

Ausência do Conselho Tutelar

Durante a operação dos policiais o 3º Batalhão da Polícia Militar ligou para o Conselho Tutelar – órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, conforme disposto no artigo 131 do Estatuto da Criança e do Adolescente –, no entanto, nenhum conselheiro foi até o local. Segundo a PM, o órgão alegou que os conselheiros do plantão atendiam outra ocorrência na Unisp.

A reportagem apurou que os menores continuaram na casa com a mãe. O caso agora poderá ser encaminhado ao Ministério Público para que as crianças sejam assistidas pelo serviço social.