Adolescente agredida em loja nega furto de fone de ouvido: “peguei para que eles arrumassem meu telefone”

A menor estrangeira diz que foi chamada de venezuelana vagabunda pelo dono da loja.

6452

Uma adolescente de 13 anos, vítima de agressões no interior de uma loja de assistência técnica localizada na avenida Major Amarante, no Centro de Vilhena, gravou um vídeo para rebater a acusação de furto que a loja está promovendo contra ela em mídias sociais. Segundo a menor, a loja selecionou e divulgou apenas as imagens que mostram ela pegando os fones de ouvido. Ela diz que a filmagem completa precisa ser mostrada para que as pessoas saibam o que realmente aconteceu no interior da loja.

Tudo começou quando a jovem entrou na Direya Assistência Técnica para comprar um carregador e, durante o teste, a atendente da loja teria danificado o conector de carga do celular e dito que não iria consertar o aparelho. Por meio de uma rede social a loja negou ter danificado o telefone e afirma que a menor chegou com o aparelho já com defeito.

A menor voltou para casa e minutos depois retornou na loja acompanhada do pai para tentar resolver o problema, mas não houve acordo e o impasse evoluiu para agressões físicas e verbais contra os venezuelanos. A menor ainda diz que foi chamada de venezuelana vagabunda pelo dono da loja. “Se eles mostrarem toda a filmagem do que aconteceu lá dentro as pessoas vão ver que eu fui xingada e também que não sou ladrona”, garante a menor.

Em entrevista ao Vilhena Notícias nesta sexta-feira, 22 de janeiro, a adolescente confirma que pegou o item na prateleira da loja, mas diz que agiu por impulso quando o comerciante se negou a arrumar o telefone dela.

“Eu peguei o fone e disse que devolveria quando ele arrumasse o meu celular que a atendente dele tinha quebrado”, afirma a jovem. Veja as explicações que a jovem deu sobre o caso:

O pai da garota conta que também foi agredido. Ele conseguiu filmar parte das agressões e utilizou as imagens para denunciar o pessoal da loja à polícia.

A Polícia Militar (PM) foi chamada e conduziu três homens e uma mulher, suspeitos pelas agressões, à Unidade Integrada de Segurança Pública (Unisp). A PM confirmou que os envolvidos no episódio de violência ficaram alterados com a chegada dos policiais e precisaram ser conduzidos algemados até a delegacia. Pai e filha foram até a Unisp e manifestaram a vontade de representar criminalmente pelas agressões sofridas. À reportagem, Wilfer Jacob, pai da menor, diz que irá acionar a loja na Justiça por acusação infundada de furto.

A Polícia Civil vai ouvir os envolvidos novamente no dia 6 de abril.

O dono da loja foi procurado pela reportagem para comentar o caso, mas ele não quis se manifestar.

Xenofobia

A divulgação parcial do vídeo feita pela loja, com a acusação de furto, desencadeou uma série de insultos contra os imigrantes venezuelanos nas redes sociais. No bairro onde mora com a família, a garota está sendo hostilizada. “As pessoas estão me chamando de ladrona”, lamenta a menor.

A família reside há quase dois anos em Vilhena.

Decreto do Estado impõe uso de máscara obrigatório em Vilhena

A utilização de máscaras em locais de uso coletivo, públicos e particulares com atendimento ao público, é obrigatória em Rondônia a partir da publicação do Decreto nº 25.470, no Diário Oficial do Estado, no dia 21 de outubro de 2020. O decreto prevê advertência para pessoas e multa para comerciantes que descumprirem a norma, decretada para prevenir e enfrentar a evolução da pandemia de coronavírus.

Nas imagens registradas pelo pai da garota, é possível ver que nenhuma pessoa dentro da loja fazia uso de máscara durante o atendimento. Com exceção das pessoas que sofreram a agressão, que faziam uso do item de proteção facial.