17635

Em MT, caminhoneiro que transmitiu HIV para mulheres dizia que camisinha ‘machucava’; sobe para 6 as vítimas

Mulher diz que conviveu com suspeito por 11 meses. Haroldo Duarte da Silveira foi indiciado por tentativa de feminicídio.

Haroldo Duarte da Silveira, de 32 anos, foi preso em Cuiabá — Foto: Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil de Cuiabá investiga um caminhoneiro de 32 anos suspeito de ter contaminado propositalmente mulheres com o vírus HIV. Até agora, seis mulheres procuraram a delegacia para denunciar o motorista de caminhão Haroldo Duarte da Silveira, que está preso.

Mesmo consciente que possuía o vírus, o motorista se relacionava com as mulheres sem usar preservativo. Ele alegava que machucava seu órgão genital. Contou em depoimento uma mulher.

A primeira vítima procurou a Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Mulher na última sexta-feira (30), um dia após a prisão de Haroldo. A mulher contou que conhece o suspeito há 6 anos e que mantinha um relacionamento casual com ele. Ela disse ainda que mesmo pedindo para usar preservativo, ele se recusava, alegando que ‘machucava’. A vítima também disse que chegou a questionar o parceiro sobre manchas que surgiram em sua pele, mas ele ficava agressivo e ia embora. Hoje gestante, ela só descobriu ser portadora da doença quando fez exame de pré-natal.

INVESTIGAÇÃO

Publicidade

A polícia investiga o caminheiro desde maio deste ano, quando surgiu a primeira denúncia contra ele. Haroldo é morador de Cuiabá e pode ter feito mais vítimas pelo interior do Mato Grosso e outros estados que viajava. Uma das vítimas contou à polícia que assim que soube do seu diagnóstico, foi atrás de ex-companheiras do homem e elas confirmaram serem portadoras do vírus. A delegada Nubya Beatriz Gomes dos Reis abriu investigação. O Pedido dela para prender o caminhoneiro foi aceito pela Justiça. Haroldo foi preso na quinta-feira (29).

“No meu entendimento ele agiu com dolo [com a intenção de contaminar as mulheres], pois assumiu o risco de transmitir a doença”, declarou a delegada Nubya Beatriz.

 

Fonte: Com informações do G1

Comentários