13564

Corpo de bebê é encontrado em poço após ter sido jogado pelos pais em MT

Homem disse à polícia que menina morreu acidentalmente após tomar remédio e, sem saber o que fazer, ocultou o corpo. Pais já eram investigados por maus-tratos à mesma criança.

Carrinho é encontrado em rio — Foto: Polícia Civil-MT

Um casal foi preso em Jataí, no sudoeste de Goiás, suspeito de matar a filha de 6 meses e jogar o corpo em um rio em Tabaporã, a 643 km de Cuiabá, no Mato Grosso. Segundo a Polícia Civil, o homem, de 23 anos, disse que a filha morreu acidentalmente após tomar um remédio. Os pais já eram investigados por maus-tratos à mesma criança.

Os dois estavam morando em um assentamento no município goiano desde o dia 29 de dezembro e foram localizados na quinta-feira (9). O casal não ofereceu resistência e foi levado para a delegacia, onde prestou depoimento.

“O homem disse que a criança teria morrido acidentalmente após ele ter medicado ela com um remédio e, segundo ele, esse medicamento teria feito uma reação contrária e disso teria ocorrido o óbito dela. Depois disso, sem saber o que fazer, ele acabou ocultando o corpo da criança”, disse o delegado Agnaldo Coelho.

Já a mãe, de 25 anos, disse à polícia que não estava presente no momento da morte da criança, pois tinha ido buscar um remédio e, quando voltou, o marido já tinha ocultado o corpo.

Bombeiros encontraram bebê em poço — Foto: Polícia Civil-MT/Assessoria
Bombeiros encontraram bebê em poço — Foto: Polícia Civil-MT/Assessoria
Publicidade


Depois, eles foram vistos sozinhos sem a criança nem o carrinho. Mais tarde, disseram ter avistado o casal pedindo carona na estrada, apenas com mochilas e também sem o bebê.

A bebê morava com a família em Tabaporã e, segundo o Conselho Tutelar, os pais já haviam sido denunciados por maus-tratos. A menina chegou a morar em um abrigo da cidade aos 3 meses de vida. No entanto, os pais entraram na Justiça e conseguiram ficar com a guarda da filha.

O Conselho Tutelar afirmou que fazia visitas periódicas à casa da família.

Fonte: G1/MT

Comentários