Tribunal do Equador legaliza aborto em casos de estupro

Conservadora, primeira-dama lamentou decisão da Corte.

68

O Tribunal Constitucional do Equador descriminalizou nesta quarta-feira (28) o aborto em casos de estupro, informou o Defensor do Povo, Freddy Carrión, depois que o organismo modificou a lei, permitindo o procedimento no caso de uma gravidez resultante de uma agressão contra uma mulher com deficiência mental.

– A resolução da Corte que descriminaliza o aborto por estupro é possível graças às mulheres e coletivos feministas que vinham lutando permanentemente por ter uma sociedade mais justa e igualitária. Sem elas não seria possível o que hoje #Élei – destacou Carrión em sua conta no Twitter.

No corpo de nove juízes, sete votaram a favor da declaração de inconstitucionalidade dos artigos 149º e 150º do Código Penal e dois votaram contra. Tais disposições estão em vigor desde fevereiro de 2014, com a aprovação do Código Penal Integral.

O primeiro deles afirma que quem fizer o aborto de uma mulher que o tenha consentido será punido com penas de 1 a 3 anos e, de 6 meses a 2 anos, a mulher que o solicitou; e o segundo permite o caso de aborto quando a vida da mulher estiver em risco ou no caso de estupro de uma mulher com deficiência mental.

Um total de sete organizações, de mulheres, feministas e de direitos humanos, apresentou os pedidos perante o tribunal, a instância máxima em questões constitucionais.

Depois da decisão, o Tribunal Constitucional tem duas vias para que a sua decisão seja respeitada: exigir que a Assembleia reformule os dois artigos ou emita uma sentença com prazos e indicações para aplicação.

Nas últimas horas e apesar da ordem de não se realizar reuniões públicas, grupos de organizações que se opuseram a tal pedido, especialmente religiosos, e feministas, que o apoiaram, compareceram ao Tribunal Constitucional com tambores, gritos e faixas.

Antes da decisão, María de Lourdes Alcívar, mulher do presidente eleito Guillermo Lasso, em sua conta no Twitter disse:

– Rezamos a Deus para que o aborto não seja aprovado em nosso país. É um assassinato. Que nossos corações doam só de dizer isso. Todos temos direito à vida. Mães, pais, eduquem seus filhos no valor desde muito novos, suas filhas, desde o nascimento, para que saibam respeitar a vida – disse.

Fonte: (Estadão)