Casos de covid-19 disparam na Holanda após fim das restrições

País teve um aumento de 66% do número de infecções diárias depois de uma semana de suspender medidas de prevenção

284

O número de infecções diárias de covid-19 na Holanda aumentou quase 66% na primeira semana após o fim das restrições e do uso obrigatório de máscaras em ambientes fechados. A incidência está principalmente em menores de 30 anos, cuja vacinação ainda está em andamento e muitos receberam apenas a primeira dose.

De acordo com os últimos dados divulgados, mais de 1.500 casos são registrados diariamente, cerca de 566 casos a mais que a média da semana passada. No entanto, as internações continuem diminuindo, um efeito da vacinação.

O Instituto de Saúde Pública (RIVM) confirmou a tendência de aumento nas infecções diárias, principalmente na faixa etária entre 10 e 29 anos, com o pico entre aqueles de entre 20 e 29 anos, mas as mortes por covid-19 permanecem em uma média de uma por dia.

Ernst Kuipers, presidente da Rede Nacional de Terapia Intensiva (LNAZ), destacou que os relaxamentos que entraram em vigor no sábado da semana passada provocaram um aumento das infecções e alertou que “o vírus não vai desaparecer”.

As autoridades de saúde alertaram para o risco de ocorrer uma nova onda no outono devido à ameaça da variante delta, embora tenham descartado que esta cepa possa provocar a retomada de restrições neste verão, apesar de se acreditar que esteja por trás da metade de infecções diárias na Holanda.

A vacinação se acelerou nestes meses e o governo já marcou a imunização de todos adultos, além de ter começado na última sexta-feira com a vacinação de menores, com o objetivo de dar a primeira dose aos adolescentes antes do início do ano letivo.

Com uma população de cerca de 17 milhões de pessoas, a Holanda já administrou 16,7 milhões de doses e espera aplicar mais de 1,5 milhão nesta semana. Até agora, 38% da população, principalmente idosos e grupos de risco, já completou o esquema vacinal.

Por sua parte, a virologista holandesa Marion Koopmans alertou nesta terça-feira (6) que “há um grande grupo” de pessoas ainda não vacinadas e que podem desenvolver seriamente a covid-19.

“A pandemia ainda não acabou (…) Mas é claro que as coisas estão indo muito mais rápido do que gostaríamos, e as restrições deveriam ser um amortecedor”, frisou.

A Holanda tem praticamente toda a União Europeia (UE) em sua lista de países seguros, e por isso não exige de seus viajantes um teste de PCR negativo ou a realização de quarentenas na entrada em território holandês.

Ainda não há dados sobre os movimentos de turistas de e para a Holanda, embora o RIVM já tenha solicitado aos viajantes que façam um teste de coronavírus no retorno, voluntariamente, para evitar a expansão da variante delta, após centenas de estudantes terem retornado infectados de viagens de fins de curso a Espanha e Portugal.

FONTE: R7