Pacientes reclamam de dificuldade para conseguir consultar em unidades de saúde de Vilhena

A prefeitura informou que 334 atendimentos foram feitos no CEV, somente nesta segunda-feira, 11.

5248
Imagem mostra Centro de Especialidades Vilhenense (CEV) lotado nesta terça-feira, 12. — Foto: Internauta

Pacientes relatam dificuldade em receber atendimento médico em postos de saúde de Vilhena. Duas pessoas que buscaram consultar no posto de saúde Afonso Mansur, no Jardim Eldorado, no último sábado, 9 de janeiro, entraram em contato com o Vilhena Notícias prestando queixas pela falta de atendimento.

Uma operadora comercial, de 35 anos, relata que procurou a unidade de saúde por volta do meio dia do sábado, 9, com falta de ar, fraqueza, dores de cabeça e no corpo. Ela alega que foi atendida por um médico e o profissional descartou a possibilidade de infecção pelo coronavírus. Ainda segundo a operadora, o médico solicitou que ela fizesse um hemograma e um exame de PCR para dengue. Ela voltou para casa e no domingo teve febre alta.

“Na segunda-feira [11] de manhã fui em um laboratório particular e fiz os exames que o médico pediu, então liguei no postinho para saber se eu poderia levar os resulatdos para mostrar para o médico. Me disseram que sim e quando cheguei lá me mandaram para o CEV”, relata a paciente.

A operadora comercial conta que chegou no Centro de Especialidades Vilhenense (CEV) por volta das 12h30 e quando foi atendida, horas depois, ouviu da médica que o problema dela era “apenas” psicológico. “Estou tomando remédio a cada seis horas para baixar a febre”, diz a operadora. Ela diz que o resultado para dengue deu negativo.

Ao Vilhena Notícias, a paciente diz que não sabe o que fazer e lamenta. “Me senti humilhada. Não estou conseguindo fazer nada, nem abrir o olho de tanta dor que estou sentindo e ninguém resolve nada”.

Um mecânico de 36 anos enfrentou problema semelhante. Ele procurou o Afonso mansur na tarde de ontem com sintomas da covid-19 e foi encaminhado para o CEV. “Fui atendido por uma médica, mas é como se não tivesse. Me mandou para casa e não me receitou nenhum remédio”, lamentou o mecânico.

A Prefeitura de Vilhena foi contactada pela reportagem, e respondeu que o “atendimento médico com diagnóstico ou não para covid-19 é assunto técnico, depende do profissional de Saúde. Ele avalia o paciente e dá seu diagnóstico”. A prefeitura explicou ainda que o local de atendimento de casos suspeitos de coronavírus agora é no CEV. Ontem, a assessoria da prefeitura divulgou nota na imprensa informando que todos os pacientes que tenham sintomas de covid-19 em Vilhena deverão procurar a nova ala de atendimento aos fundos do CEV.

Sobre a queixa de mau atendimento, alegado pela operadora comercial, a prefeitura disse que “são feitos treinamentos frequentemente e as orientações da direção do hospital, dos postinhos e secretário [de Saúde] são diárias para o bom atendimento a todos os pacientes”.

Somente ontem foram 334 atendimentos no CEV, informou a prefeitura.