ATILA IBÁÑEZ – COLUNA DO DIA 21 DE AGOSTO DE 2020

936

▓ ▓ ▓

O ex-prefeito de Vilhena Vitório Abrão. Grande personalidade de nossa cidade. No período que esteve como chefe do executivo nos anos 80. Vitório trabalhou muito pela nossa cidade.

O desenvolvimento de Vilhena nesse período deu um salto espetacular. Nessa época Vilhena era um canteiro de obras. O crescimento era visível.

Vitório esteve de aniversário. Alguns familiares e amigos foram a sua residência para cantar os parabéns pra você. Digo: “Para o Vitório”.

O colunista deseja ao eterno prefeito muitos anos de vida. !Cumpleños feliz! !Cumpleños feliz! !Cumpleños feliz! !Cumpleños feliz!

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Presenças marcantes no níver do ex-prefeito Vitório Abrão. HelenArielle prestigiaram o evento social.

A feijoada que foi servida aos presentes estava uma delícia. O aniversário do prefeito transcorreu tudo dentro dos conformes. Com os cuidados devidos.

Nada de aglomeração. Distante um do outro. Como mandam a comissão Covid 19 da prefeitura.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Mariane e o esposo Bruno. A feijoada oferecida pelo aniversariante Vitório Abrão estava uma delícia.

O casal é uma simpatia. O colunista sentiu-se bem à vontade. E nós cantamos os parabéns para Vitório. Em nossos corações.

Grande personalidade de nossa sociedade. Vitório ainda sonha com a criação do estado do Aripuanã – Capital Vilhena. Quem sabe? O sonho se realizará.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Vitório Abrão bem à vontade. A conversa fluía entre os parentes e amigos. Tranquilo.

 Vitório contou muitas histórias da política local e nacional. Sempre atento aos assuntos relevante do país.

 O desenvolvimento da agricultura em nossa região do país está sempre em pauta na conversa com Vitório Abrão.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Amigos que prestigiaram o aniversário de Vitório Abrão. Eles, João Gabriel, seu genro Bruno e o sub Tenente da PM De Paula. Quem esteve na cozinha, no comando das panelas, principalmente da feijoada, foi o “chef de cuisine” João Gabriel e sua esposa Vera Lúcia

Uma vez mais, parabéns para o Vitório pelo seus 70 anos de vida, bem vividos, como ele costuma dizer.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Dr. Caetano Neto, advogado; Freitas e Leander. Uma conversa animada no níver Vitório Abrão.

Caetano não quis tirar a máscara para a fotografia. Está muito preocupado com a Covid 19.

Assunto pitoresco da política, e algumas gafes praticadas por personalidades de nossa cidade vieram à baila.

Piadas não faltaram nesse almoço. Vitório Abrão chegou aos seus 70 anos de vida com muita vitalidade.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Ladi, Pablo e Arielle. Todos concentrados.  Ouvidos atentos na fala da esposa do Vitório Abrão Ladi.

O assunto parecia sério. Acho que conversavam a que hora iam servir a feijoada. Já estava próximo do meio dia.

 Brincadeiras a parte. O aniversário do Vitório Abrão transcorreu tudo dentro dos padrões sociais. Um almoço tranquilo. Conversa animada entre os convidados.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Vitório Abrão, seu filho Ângelo e Pablo .Vitório bem à vontade conversando com os parentes depois da feijoada. O sono logo vem.

Mais uma vez nós o parabenizamos pela passagem do seu aniversário. Nem sempre conseguimos chegar aos 70 anos.

Por isso devemos agradecer a Deus pela oportunidade. Parabéns Vitório. Eterno prefeito de nossa cidade.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Careca conversava na cozinha com senhora Vera, enquanto ela terminava de fritar o torresmo para servir com feijoada.

O almoço de aniversário do ex-prefeito Vitório Abrão foi um sucesso.

O ex-prefeito de Vilhena merece os aplausos dos amigos. Principalmente no dia do seu aniversário.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Sempre ao seu lado, Ladi a esposa do Vitório Abrão. Lembro como fosse hoje.

O dia do casamento do casal na igreja Nossa Senhora Aparecida. Parabéns para o casal. Juntos até hoje. Pelo que se vê permaneceram por muitos anos.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Mahler Mileo trabalhou como Dokter na empresa Exército Brasileiro, na empresa Hospital Regional de Cacoal, estudou na Instituição de Ensino Faculdade de Ciências Biomédica de Cacoal.

Dr. Mahler Mileo; o médico esteve de aniversário. Nós desejamos ao jovem médico muitos anos de vida. Que Deus o proteja na sua caminhada. Parabéns pela passagem do seu aniversário.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Empresário Erik Adriano ATACADÃO DAS BATERIAS e a esposa advogada Melina. Dia 19 de agosto o empresário aniversariou.

Desejamos ao Erik muitos anos de vida. Que Deus o abençoe sempre. Sucesso na vida é o que nós desejamos. Parabéns Erik pela passagem do seu aniversário.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Darcy Cerutti, empresário, Administrador na empresa  Escritório Contábil Vênus, estudou na instituição de ensino AVEC, mora em Vilhena, casado com Nair Esser.

O empresário é pré-candidato a prefeito de Vilhena. Estreve de aniversário. Nós cantamos bem alto os parabéns pra você. Assim falava a nossa amiga Dengosa – Suely Bond. Colunista Social.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

O pré-candidato a vereador Dalterson Vieira. O candidato está junto com muitos amigos e correligionários.

A luta é grande. Tudo dará certo. Chegou a sua hora. Juntos! Avante!

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Idarci Maraschin; estudou na instituição de ensino Iridologia Brain. Idarci foi Miss Vilhena. Compositora e poetisa. Gosta da música gaúcha. A empresária é do ramo de produtos naturais, Fitoterapia, ervas, florais.

Mora em Vilhena. De Pato Branco PR. Idarci Celina Marachin. Para quem não sabe?

Idarci é uma grande declamadora da poesia gaúcha. Já fiz o convite para uma apresentação no Programa deste colunista “Night In Black Tie” na SIC TV RECORD VILHENA.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

Maria Paula é radialista, empresa FM Positiva, cantora. A radialista esteve de aniversário.

Este colunista e os amigos desejam à Paula muitos anos de vida. Que Deus o abençoe sempre. Muito sucesso é o que nós desejamos. Parabéns pra você!

▓ ▓ ▓

O Dr. Helio Struthos Arouca no seus 87 anos de vida, continua com um semblante saudável.O médico cuidou de muitos guajaramirenses nesses anos de medicina.

Este colunista foi operado pelo médico do apêndice aos 15 anos de idade no Hospital Perpetuo Socorro, lá em Guajará-Mirim. Desejo ao Dr. Hélio muita saúde. Felicidades meu queridíssimo. Tenho por vossa pessoa, respeito e admiração. Obrigado por ter cuidado do povo guajaramirense por muitos anos. Que Deus o abençoe sempre.

Tenho por vossa pessoa, respeito e admiração. Obrigado por ter cuidado do povo guajaramirense por muitos anos. Que Deus o abençoe sempre.

▓ ▓ ▓

▓ ▓ ▓

BOLA CHEIA – Para as pessoas que tem a consciência de que a corona vírus é uma doença que ceifa vidas. Continuam em suas casas sem fazer aglomerações. Restritos aos seus lares. Parabéns por agir dessa forma.

▓ ▓ ▓

BOLA MURCHA – Para àqueles que ainda não se conscientizaram que a pandemia que assola o mundo – corona vírus seja uma doença devastadora.

Continuam aglomerando-se em festas particulares e balneários ao redor de nossa cidade.

▓ ▓ ▓

A Jovem Guarda foi um movimento cultural brasileiro surgido em meados da década de 1960, que mesclava música, comportamento e moda.

Consolidado com este nome em 22 de agosto de 1965, a partir da estréia do programa televisivo Jovem Guarda exibido pela TV Record, em São Paulo, apresentado pelo cantor e compositor Roberto Carlos, conjuntamente com o também cantor e compositor Erasmo Carlos e da cantora Wanderléa, deu origem a toda uma nova linguagem musical e comportamental no Brasil. Sua alegria e descontração transformaram-na em um dos maiores fenômenos nacionais do século XX.

Sua principal influência era o rock and roll do final da década de 1950 e início dos 1960 e o soul da Motown. Grande parte de suas letras tinham temáticas amorosas, adolescentes e açucaradas – algumas das quais, versões de hits do rock britânico e norte-americanos da época.

Por essa inspiração, a Jovem Guarda tornou-se o primeiro movimento musical no país que pôs a música brasileira em sintonia com o fenômeno internacional do rock da época, catalisado especialmente pelos Beatles. Os músicos e cantores começaram a fazer versões de músicas estrangeiras com letras próprias em português para lançar como se fossem suas, para depois compor suas próprias musicas em uma segunda fase.

Além de Roberto, Erasmo e Wanderléa, destacaram-se no movimento artistas como Ronnie Von, Eduardo Araújo e Sylvinha Araújo, Wanderley Cardoso, Jerry Adriani, Martinha, Vanusa, Rossini Pinto, Leno e Lílian, Evinha (Trio Esperança), Deny e Dino, Paulo Sérgio, Dick Danello, Reginaldo Rossi, Sérgio Reis, Antônio Marcos, Márcio Greyck, Sérgio Murilo, Waldirene, Arthurzinho, Ed Wilson, Ronnie Cord, Jorge Ben Jor, Tim Maia, Bobby de Carlo, George Freedman, além de bandas como Golden Boys, Renato e Seus Blue Caps, Lafayette e seu Conjunto, Os Incríveis, Os Vips, Os Jovens, The Pops e The Fevers.

Fenômeno midiático que arrastou multidões, também designado como iê-iê-iê, em alusão direta à expressão yeah-yeah-yeah presente em sucessos dos Beatles, a Jovem Guarda era vista com restrições por setores da crítica, uma vez que sua música era considerada alienada pelo público engajado, mais afeito, primeiro à bossa nova e, depois, às canções de protesto dos festivais.

O programa “Jovem Guarda” foi uma criação da agência de propaganda Magaldi, Maia e Prosperi para a grade de programação da TV Record. A demanda veio com a proibição das transmissões ao vivo das partidas de futebol aos domingos.

Os idealizadores do programa inspiraram-se em uma frase do revolucionário russo Vladimir Lenin, onde dizia “O futuro pertence à jovem guarda porque a velha está ultrapassada”. Eles vincularam a expressão com a imagem dos então emergentes cantores Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa.

Roberto Carlos, principal ídolo da Jovem Guarda.

Amparado por gravadoras e campanhas publicitárias, rapidamente o movimento repercutiu em termos de vantagens e de popularização dos seus ídolos. Fenômeno de audiência, o programa de auditório levava ao Teatro Record centenas de jovens, atraídos pelos trio Roberto-Erasmo-Wanderléa, além de artistas convidados. No ápice da sua popularidade, chegou a atingir 3 milhões de espectadores só em São Paulo] – fora as cidades para onde chegava em videotape, como as capitais Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife.

Mais do que um fenômeno televisivo, a Jovem Guarda impulsionou o lançamento de discos, roupas e diversos acessórios. Todo um comportamento jovem daquele período foi formatado a partir do programa e seus apresentadores. O modo de se vestir (calças colantes de duas cores em formato boca-de-sino, cintos e botinhas coloridas, minissaia com botas de cano alto) bem como as gírias e expressões (“broto”, “carango”, “legal”, “coroa”, “barra limpa”, “lelé da cuca”, “mancada”, “pão”, “papo firme”, “maninha”, “pinta”, “pra frente”, e a clássica “é uma brasa, mora?”) viraram referência para muitos adolescentes do período.

No final de 1968, Roberto Carlos deixou o programa de auditório. Sem seu principal ídolo, a TV Record retirou o programa do ar. Desta maneira, o movimento como um todo perdeu força, até que desapareceu no final da década de 1960.

Com o fim do movimento, os artistas da Jovem Guarda tomaram três caminhos distintos a partir da década de 1970. Enquanto alguns de seus artistas mantiveram-se identificados com o rock (Os Incríveis, Eduardo Araujo, Erasmo Carlos) e outros se mudaram para a música sertaneja (como Sérgio Reis), a grande maioria deles enveredou-se para a música romântica, de forte apelo popular. Foram os casos de Roberto Carlos, Wanderley Cardoso, Jerry Adriani, Ronnie Von e Reginaldo Rossi (líder, durante a Jovem Guarda, da banda The Silver Jets).

As estéticas Jovens Guarda, especialmente suas baladas, tiveram grande influência sobre uma nova geração de artistas da música popular brasileira a partir da década de 1970, como Odair José, Diana, em uma vertente que acabou sendo tachada por críticos de “música cafona”.

Antes disso, a Jovem Guarda foi a principal responsável pela introdução da guitarra elétrica e do órgão Hammond por Lafayette em gravações de Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa e a maioria dos artistas da Jovem Guarda, em seus discos com solo de Órgão e também nos bailes com seu conjunto. Na música do Brasil, que acabou incorporada definitivamente com a Tropicália.

A Jovem Guarda foi diversas vezes acusada de se manter afastada das discussões políticas que sacudiam o Brasil durante os primeiros anos da ditadura militar no país. Era considerada música alienada pelo público engajado e setores da crítica mais afeitos a, primeiramente, à bossa nova e, depois, às canções de protesto dos festivais da emergente MPB.