Após quatro anos de reinado, PSDB sofre debandada e chega às eleições municipais 2020 enfraquecido

Num intervalo de quatro anos, o PSDB desceu da antessala do poder para o esfacelamento do partido

3556
Vereador Rafael Maziero vai em busca da reeleição. Já Maria José, atual vice-prefeita do município, não concorrerá a nenhum cargo político.

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) reinou nos últimos quatro anos no município de Vilhena, mas chega enfraquecido para a disputa eleitoral deste ano. Nas eleições municipais de 2016 o tucanato elegeu três vereadores, e na eleição suplementar de 2018 emplacou uma vice-prefeita eleita.

O partido foi, de maneira quase absoluta, aquele com maior número de políticos eleitos nos últimos anos no município de Vilhena. Porém, ao que parece, terá grandes dificuldades para repetir a façanha da eleição anterior e conquistar tantas cadeiras no Legislativo Municipal nas eleições de 2020. Isto porque, Samir Ali e Adilson de Oliveira, eleitos pela sigla em 2016 e que irão tentar a reeleição, debandaram para outros partidos na última janela para trocas partidárias. A atual vice-prefeita do município, Maria José (PSDB), vai abandonar a vida pública.

A esperança de ter ao menos um representante no Legislativo, pelo próximo quadriênio (2021/2024), recai sobre o bastião da sigla, o vereador Rafael Maziero (PSDB) que vai em busca da reeleição. No entanto, o partido apresentou uma fraca nominata na convenção partidária do dia 16 de setembro.

O PSDB fechou apoio à candidatura pela reeleição de Eduardo Japonês do Partido Verde (PV), que terá Patricia da Glória, também do PV, como vice na chapa.

PARTIDO JÁ TEVE ATÉ PREFEITO

Em 2018, em meio ao conturbado cenário político vilhenense, Adilson de Oliveira, que era presidente da Câmara de Vereadores e filiado ao PSDB, foi empossado como prefeito de Vilhena. Adilson assumiu o mandato de forma interina, após o Tribunal Superior Eleitoral – TSE, revogar o registro de candidatura da chapa da ex-prefeira Rosani Donadon e seu vice, Darci Cerutti, eleitos em 2016.