VÍDEO: Jacaré-açu é abatido a tiro e marretadas no rio Madeira em Porto Velho

Suspeitos de matarem o jacaré ainda não foram identificados. Caçar animal silvestre é crime e pode resultar em pena de seis meses a um ano.

1704
Jacaré-açu é morto a tiro e marretadas em Porto Velho. — Foto: Divulgação

O Batalhão da Polícia Ambiental (BPA) apura o caso de um jacaré-açu que foi abatido no rio Madeira, em Porto Velho, no início desta semana. Imagens recebidas pela polícia (assistir o vídeo) mostram o momento em que um suspeito atira no animal e outro o golpeia várias vezes na cabeça com uma marreta. Até o momento ninguém foi preso.

O caso ocorreu no último dia 7 de setembro. Após o recebimento das imagens, uma equipe da polícia foi ao local do abate, mas encontraram apenas a carcaça do animal. Uma marreta e uma faca foram apreendidas. O caso foi registrado na delegacia de crimes ambientais da cidade.

O capitão Jairo Carneiro, subcomandante do Batalhão da Polícia Ambiental, disse que há indícios de que o jacaré tenha sido abatido com tiro de arma de pressão. Depois da marretadas, os suspeitos teriam puxado o animal às margens do rio.

Nenhum dos suspeitos foram identificados até última atualização desta reportagem.

Com base no artigo 29 da Lei 9.605, caçar animal silvestre é crime. Nesse caso, a multa para quem comete o abate pode chegar a R$ 5 mil, além de pena de seis meses a um ano.

O animal assassinado é um jacaré adulto da espécie Melanosuchus niger (jacaré-açu). Segundo o capitão Jairo, ele esteve à beira de extinção “por conta valor comercial do seu couro e da sua carne”.

A espécie é encontrada exclusivamente na bacia Amazônica, onde tem ampla distribuição. Também ocorre em sete países da América do Sul, sendo a maior parte em território brasileiro.

De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), essa é a maior espécie de jacaré. Com tamanho médio de 3,5 metros e mais de 300 kg, há registros de exemplares com mais de 5,5 metros.

“Também é conhecido como jacaré-negro. É um predador de topo de cadeia alimentar. Adultos de grandes dimensões podem predar qualquer animal de seu habitat, inclusive outros predadores de topo, como pumas, onças, jiboias e sucuris, se forem surpreendidos por esses répteis. Normalmente, se alimenta de pequenos animais, como tartarugas, peixes, capivaras e veados”, complementou Jairo Carneiro.

Fonte: G1/Rondônia