SOS RAINFOREST: Mega live neste domingo com artistas e ambientalistas

Eles se unem aos cientistas em show virtual em defesa das florestas tropicais e dos povos indígenas

312

 

Sting, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Carlinhos Brown, Elza Soares, Anitta, IZA, Allan Parsons, Tony Garrido, Jorge Drexler, Mano Chao, Gaby Amarantos e Milton Nascimento são algumas das atrações artísticas anunciadas para a primeira SOS Rainforest LIVE – com duração de seis horas! -, que acontece no domingo, simultaneamente em Nova York (EUA), Londres (Inglaterra) e Oslo (Noruega).

megalive será transmitida gratuitamente pelo canal da Rainforest Foundation no YouTube, a partir das 16h, pelo horário de Brasilia. Também pelo TikTok.

Publicidade


A maratona musical virtual tem curadoria da cantora, compositora e produtora Maria Gadú e será apresentada pelas atrizes Oona Chaplin (Game of Trones e Avatar), que conduziu outra megalive, recentemente – Artists for Amazônia -, Letícia Sabatella e Camila Pitanga e pelo músico Toni Garrido.

O evento está sendo organizado pela Rainforest Foundation (fundada por Sting, em 1987) da Noruega, do Reino Unido e dos Estados Unidos para arrecadar fundos de apoio a ações em defesa das florestas tropicais da África, Ásia e América do Sul e pelos povos indígenas e comunidades tradicionais no combate à COVID-19.

Suzanne Pelletier, diretora executiva da Rainforest Foundation EUA, ressalta que “os povos indígenas estão entre os mais vulneráveis ​​ao novo coronavírus devido à sua maior suscetibilidade a doenças respiratórias e virais e ao pouco acesso a instalações médicas adequadas. No entanto, são eles que protegem os ecossistemas que protegem o mundo do surgimento de grandes pandemias. Temos que nos unir para apoiá-los agora”.

Por isso, a SOS Rainforest LIVE também terá as presenças de lideranças indígenas como Sônia Guajajara, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Dario Kopenawa Yanomami, da Hutukara Associação Yanomami, como também Joenia Wapichana (a primeira deputada federal indígena), Jorge Perez, Putanny Yawanawa, Emanuelle Peni, Bira Yawanawa, Eric Terena, Heloísa Ykanawá, Cristina Wariu, Tukumã Pataxó e Walelasoetxeige Suruí, além de representantes do Instituto Socioambiental (ISA) e do Conselho Indígena de Roraima (CIR), da APEM, na República Democrática do Congo; APIFED, da República dos Camarões, e de Rukka Sombolinggi, da Aliança dos Povos Indígenas do Arquipélago (AMAN), da Indonésia.

A modelo e ativista Gisele Bundchen, o cientista e ambientalista Antonio Nobre, o escritor Stephen Fry, o médico e ambientalista Eugenio Scannavino, os atores Camila Pitanga, Wagner Moura, Letícia Sabatella e Maria Paula e o fotógrafo Sebastião Salgado também participarão da megalive com suas mensagens ao vivo ou pré-gravadas. E a lista pode aumentar até o evento.

Os shows internacionais terão Sting, Jorge Drexler, Maná, Manu Chao, Allan Parsons, Mathilda Holmer, Aurora, Aterciopelados, Lyla June, Lisa Simone, Jupiter and Okwes, Sandrayati Fay e OMI.

Entre os brasileiros estarão Anitta, IZA, Carlinhos Brown, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Criolo, Maria Gadú, Junior, Tony Garrido, Criolo, Melim, Sandy, Gaby Amarantos, Zeca Baleiro, Evandro Mesquita, Anavitória, Tropkillaz com Duda Beat e AfroB, Dj Soul Slinger e Jorge Mautner, George Israel e Vanessa Falabella.

Maria Gadú conta que, ao fazer a curadoria do evento, procurou reunir artistas engajados e outros, mais jovens, que ainda não estão tão ligados à pauta ambiental.

“A nova geração se dispôs muito”, conta ela. “Talvez tenha havido, por um período grande, uma lacuna entre o discurso socioambiental e as pessoas que têm popularidade. Mas essa geração tem um olhar mais atento, até porque essas questões estão ficando cada vez mais urgentes. Então, a ideia foi chamar também artistas mais jovens, a galera que conversa com a juventude, para que o assunto fique mais afetuoso”.

Gadú destaca que o objetivo do evento é servir como um alerta universal. “Questões como a pandemia se desenvolvem porque a gente vem cuidando mal do meio ambiente há séculos”.

 

COMO APOIAR

O fundo arrecadado durante o evento será destinado a organizações que lutam para combater o avanço do coronavírus nas áreas de floresta tropical e também para projetos indígenas e de comunidades locais que trabalhem em prol da proteção do meio ambiente.

Para apoiar este movimento, basta contribuir com qualquer valor por meio do link que será indicado na tela, durante as seis horas de apresentação, por meio de um QR Code.

Acompanhe informações sobre a SOS Rainforest Live pela página do evento no Facebook, e pelos perfis da Rainforest Foundation no Instagram e no Twitter. Além da hashtag #SOSRainforestLive em qualquer rede.

 

 

 

FONTE: RONDÔNIA AO VIVO

Comentários