Justiça mantém condenação de acusado de matar namorada em teste de fidelidade em Cerejeiras

Ismael Silva foi condenado a 14 anos de prisão no regime fechado pelo assassinato da ex-namorada Jéssica Moreira Hernandes

4272
Foto: Reprodução

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia negou, por unanimidade, o recurso de apelação do réu Ismael José da Silva e mantiveram a condenação imposta a ele no segundo julgamento realizado pelo Tribunal do Júri de Cerejeiras a 14 anos de prisão no regime fechado pelo assassinato da ex-namorada Jéssica Moreira Hernandes, na época de 17 anos, durante um teste de fidelidade.

Ismael chegou a ser absolvido pelo homicídio (apesar da condenação de 1 ano no regime semiaberto por ocultação de cadáver da vítima), mas o veredito foi cassado a pedido do Ministério Público do Estado que comprovou que o resultado do julgamento foi totalmente dissociado ao que estava na denúncia. Os próprios advogados de Ismael foram favoráveis à realização de um novo julgamento.

O segundo julgamento foi realizado pelo argumento de que se o acusado não teve participação no crime, então jamais deveria ter sido condenado pelo crime de ocultação de cadáver. O crime foi praticado com a participação de Diego Sá Parente (primo de Ismael), que pegou 18 anos de prisão. O crime foi um dos de maior repercussão na cidade nos últimos anos e ficou conhecido no Estado inteiro.

No dia 20 de abril (próxima segunda-feira) completa 3 anos do assassinato. Jéssica foi morta e desovada na mata depois que confessar que traiu Ismael com o primo dele, Diego, em um teste de fidelidade pelo próprio Ismael, que morria de ciúmes da namorada.

Publicidade


A vítima foi atraída para o local do crime na esperança de ver provas de que estava sendo traída pelo namorado.
Na casa dele, Diego disse que só mostraria as provas da traição se Jéssica também confirmasse que já havia traído Ismael, que estava escondido no quarto ouvindo a conversa, ao lado da cozinha. Talvez persuadida e levada pela curiosidade de saber das provas da traição, Jéssica acabou confessando uma infidelidade que talvez nunca tenha acontecido.

Após a confissão, Ismael saiu do quarto, furioso de ciúme e atacou a vítima com um pedaço de ferro que desmaiou na hora. Jéssica ainda recobrou os sentidos e foi novamente agredida e apesar dos apelos do primo Diego, Ismael continuou as agressões até matar a vítima com facadas na costa e na garganta. O corpo de Jéssica foi encontrado quatro dias depois. Matéria do Oobservador

Comentários