Elon Musk demonstra implante cerebral da Neuralink com porcos

Apresentação voltada para atrair talentos para trabalhar no projeto e dar uma atualização sobre a tecnologia

448

Elon Musk demonstrou nesta sexta-feira (28) pela primeira vez a tecnologia da Neuralink, sua iniciativa que visa viabilizar interfaces cérebro-máquina. Nas palavras de Musk, o objetivo da empresa é solucionar problemas neurológicos por meio do implante de um chip no cérebro. Mais do que apresentar a tecnologia, no entanto, o evento foi voltado para atrair talentos para apoiar o desenvolvimento da tecnologia.

Musk iniciou o evento comparando a solução da Neuralink contra a tecnologia no mercado atualmente, descrita como invasiva e longe de ser fácil de usar. Enquanto isso, o Link apresentado por Elon tem o tamanho de uma moeda, e pode ser implantado com apenas uma pequena cicatriz na cabeça, escondida sob o cabelo. O implante poderia ser feito em questão de uma hora com um robô de precisão, sem necessidade de anestesia geral.

Para demonstrar a segurança do chip, Elon Musk utilizou porcos. Foram três animais no palco: um sem implante, um que teve o chip removido, e o outro com o link ativo há dois meses. Todos os porcos apareciam saudáveis, mostrando que o implante não deve trazer complicações.

A demonstração com os porcos mostrou que o chip gerava uma reação quando o animal era estimulado de alguma forma, ao cheirar algum objeto, ao encostar o focinho no chão ou ao comer. Cada reação era transformada em um ponto na tela e reproduzindo um som. A partir dessa coleção de dados, a tecnologia era capaz de interpretar movimentos e prever os próximos passos do animal. Na apresentação, enquanto o porco andava sobre uma esteira, a tecnologia era capaz de inferir o ritmo de caminhada e prever sua movimentação com bastante precisão.

Tudo isso, no entanto, é a leitura da informação cerebral. Elon diz que a próxima etapa da tecnologia é a gravação de informação, mas para isso ainda são necessários três requisitos: controle preciso do campo elétrico no tempo e espaço, uma vasta gama de correntes elétricas para diferentes áreas do cérebro e que não cause danos ao órgão no longo prazo.

O empreendedor destacou a eficácia do robô-cirurgião, realizando um corte rápido e pequeno. A máquina também insere o chip, conecta os eletrodos e imediatamente fecha a abertura. Após o procedimento, o paciente pode sair andando sem problemas.

O dispositivo conta com recarga por indução, que permite que sua bateria seja preenchida sem precisar conectar o chip a um cabo na tomada. Musk cita que o Link poderia ser usado durante o dia e recarregado à noite sem problemas. Ele não deu detalhes sobre como funcionaria essa recarga, então podemos no máximo especular que a base poderia ser instalada no travesseiro, por exemplo.

 

 

FONTE: OLHAR DIGITAL