Comando da PM apresenta cenário de conflitos agrários em Rondônia para deputados estaduais

Ainda durante a apresentação, o coronel Almeida explana sobre os crimes bárbaros que o grupo criminoso está realizando, inclusive com seus próprios integrantes.

224

Aconteceu na manhã de terça-feira (11) uma reunião na Assembleia Legislativa de Rondônia , onde a Polícia Militar de Rondônia (PMRO), por meio do Comando-Geral, teve a oportunidade de efetuar uma apresentação para a Comissão de Segurança Pública da Alero, acerca do cenário atual de invasões de terras no Estado de Rondônia.

As invasões de terra por integrantes que se intitulam da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) têm sido recorrentes na região do cone sul do Estado. “A invasão desses grupos armados têm trazido terrorismo ao campo, descumprindo inclusive a cartilha da Liga dos Camponeses Pobres” disse o coronel Almeida, Comandante-Geral da PMRO em apresentação.

O Comandante-Geral complementa que a tropa da Corporação é a mais indicada para o cumprimento das reintegrações de posse em Rondônia: “Se pegarmos qualquer tropa do País que não seja da PMERJ e colocar para subir o morro no Rio de Janeiro, vão tomar bolada nas costas. É nesse sentido que observamos o cumprimento da missão de reintegração de posse quando há grupos criminosos fortemente armados com tática de guerrilha. O nosso cenário é específico e nossa tropa tem experiência nessas operações” argumenta o Comandante.

Apresentações em Brasília

O Comando da Corporação esteve juntamente com o Governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha e Secretário de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania, coronel Pachá em Brasília-DF, onde foi realizada a mesma palestra proferida hoje na Alero, sendo massificado que eventual convocação de tropas federais para Rondônia, seria para o apoio das execuções de reintegração de posse, juntamente com a experiência da Corporação em relação ao conhecimento das táticas do grupo criminoso que está na fazenda Nossa Senhora da Aparecida, na região de Chupinguaia.

Tribunal do crime

Ainda durante a apresentação, o coronel Almeida explana sobre os crimes bárbaros que o grupo criminoso está realizando, inclusive com seus próprios integrantes. Foram registrados mais de 14 ocorrências policiais na região envolvendo o grupo criminoso nas disputas no campo.

Competência da PMRO

O coronel Almeida ressaltou ainda que a PMRO é um dos integrantes do sistema de segurança pública estadual, não competindo a Corporação realizar os trabalhos administrativos afetos a outros órgãos públicos: “O trabalho da corporação depende da integração dos órgãos públicos estaduais e federais, bem como do Poder Judiciário” disse o coronel Almeida.

Os parlamentares consideram que a PMRO tem sua missão essencialmente preventiva, onde para questões de reintegração de posse, suas ações ficam limitadas e dependente dos atos jurídicos expedidos pelo Poder Judiciário, bem como de outros órgãos públicos estaduais competentes.

Prevenção x repressão na área rural

Com um efetivo de aproximadamente 5.300 homens e mulheres, a PMRO vem cumprindo sua missão constitucional em aproximadamente 237 mil km quadrados, que contem um número aproximado de 500 propriedades rurais. As ações preventivas tem ocorrido com a Operação Paz no Campo onde a PMRO busca realizar ações no campo evitando diversos crimes no âmbito rural, como furtos de gado, danos e esbulho possessório.

Apresenta o coronel Almeida que nos últimos anos, desde 2019, a PMRO realizou o apoio em 84 reintegrações de posse. A grande maioria delas aconteceu na região cone sul do Estado. “Muitas vezes, por conta de mecanismos judiciais realizados pelas partes no processo judicial, impedem o cumprimento das reintegrações de posse” informa o Comandante-Geral da PMRO.

Os trabalhos de reintegração de posse ocorrem após decisão judicial, onde a Polícia Militar realiza o apoio de segurança aos Oficiais de Justiça, que no local, executam o cumprimento do mandado e efetivam a reintegração de posse.

Confrontos na região

Foi comentado na apresentação os grupos criminosos possuem grande logística bélica como armamentos e munições de grosso calibre, coquetéis molotov, rádios comunicadores, bem como de suprimentos com depósitos contendo grande quantidade de comida, acesso a Internet, e fonte de energia proveniente de placas de energia solar e geradores. Esse grupo tem enfrentado o Estado diretamente, buscando invadir novas propriedades rurais e cometendo crimes de dano, bem como furto de gado. A presença da PMRO na região visa evitar preventivamente que novas invasões aconteçam. E nessa presença policial, a Corporação tem realizado grandes apreensões, destacando 12.800 litros de éter que seria utilizado para refinar droga, diversas armas, munições, rádios transceptores, escudos de madeira e armas caseiras.

As táticas de guerrilha

Das táticas utilizadas pelo grupo criminoso, foi constatado pontes serradas para servirem como armadilhas para as viaturas com equipes policiais, inclusive o uso de rojões de “12 tiros” buscando abater a aeronave da Sesdec durante patrulhamentos aéreos na região. É frequente também, em confronto direto com a tropa de choque da PMRO, o lançamento de coquetéis molotov contra os policiais.

“Temos informações das lideranças, das pessoas envolvidas, tudo tem sido repassado para os demais órgãos públicos e federais. O Governo do Estado tem envidado todos os esforços para que a PMRO permaneça na região provendo a prevenção e evitando a ocorrência de mais invasões e danos de propriedades rurais na região” finaliza o Comandante-Geral.

Estiveram presentes na reunião o Presidente da Alero, Deputado Estadual Alex Redano, acompanhado de Deputados Estaduais pertencentes a Comissão de Segurança Pública da Casa de Leis, além do Comandante-Geral da PMRO, coronel Alexandre Luís de Freitas Almeida, o Secretário da Sesdec, coronel José Hélio Cysneiros Pachá e demais autoridades de segurança pública, imprensa e sociedade civil.

Com informações da assessoria