Colunista aponta para possível aliança eleitoral entre Jaime Bagatolli e o vice-governador José Jodan para 2022

Com esse cenário, o governador Marcos Rocha, hoje sem partido, seria colocado para escanteio e teria que buscar outro vice

2260
Vice-governador de Rondônia José Jodan e o empresário Jaime Bagatolli

“Não há dúvida que Bagattoli [de Vilhena] e o Jodan, que é de Rolim de Moura formam uma dupla forte para concorrer a governador e vice em 2022”, escreveu o colunista Waldir Costa do Rondônia Dinâmica.

Para o comentarista de política, Bagattoli e Jodan são dois dos principais nomes da direita conservadora no espectro ideológico na política, para disputar o Governo de Rondônia no próximo ano. Resta a eles, iniciarem conversas para formar uma aliança eleitoral para 2022.

Veja o que o colunista Waldir Costa diz sobre uma eventual aliança

Eleições I – Bagattoli foi candidato ao Senado em 2018 recebeu mais de 212 mil votos, mas ficou na terceira colocação e não conseguiu se eleger, pois somente estavam na disputa dois dos três cargos ao Senado. O empresário foi muito importante para a eleição do governador Marcos Rocha, na época no PSL, hoje sem partido, mas no segundo turno tiveram um desentendimento e romperam as relações políticas.

Eleições II – Não há dúvida que Bagattoli e Jodan, que é de Rolim de Moura formam uma dupla forte para concorrer a governador e vice em 2022. A dificuldade é que ambos ficariam sem um puxador de votos em Porto Velho, domicílio eleitoral de Rocha, que deverá concorrer à reeleição. Estiveram em condições de votar nas eleições de 2018, mais de 330 mil eleitores na capital, maior colégio eleitoral do Estado.

Como já temos cerca de oito nomes em condições de concorrer a governador no próximo ano, a maioria de Porto Velho, a possibilidade da formação da dupla Bagattoli/Jodan não está descartada e já está sendo motivo de preocupação dos adversários. É a participação forte do interior.