Aplicativo israelense foi fundamental para prisão da mãe e padrasto do anjo Henry

Programa recupera dados até após formatação

3120

Um software israelense foi a ferramenta que permitiu à polícia do Rio levantar as principais provas da investigação da morte do menino Henry Borel, de 4 anos.

Com o uso do programa, conversas e prints foram recuperados de um aparelho telefônico de Monique Medeiros, mãe de Henry. Esse material mostra que a babá da criança relatou à patroa que o menino era agredido por seu namorado, vereador Dr. Jairinho.

 

Programa recupera dados até após formatação

O Cellebrite é uma ferramenta usada por peritos forenses digitais para recuperar diversos tipos de dados contidos em celulares e outros equipamentos eletrônicos, mesmo depois de eles terem sido apagados.

Ele é composto por uma maleta com uma CPU dedicada, no qual o perito conecta o aparelho, para que programas específicos se encarreguem de contornar os bloqueios, como senhas e PIN de telas, para ter acesso ao conteúdo da memória do celular ou computador e baixá-los para a memória da CPU. É aí que um software da empresa é usado para recuperar arquivos que podem ter sido apagados, como os prints do celular de Monique.

“É um hardware que faz recuperação física de dados, ou seja, mesmo que alguém tenha apagado mensagens, textos ou arquivos, o conteúdo pode ser recuperado”, explica José Milagre, diretor da CyberExperts, empresa especializada em perícia digital e computação forense.

Segundo ele, a análise de dispositivos eletrônicos pode ajudar a solucionar muitos crimes no futuro, já que os aparelhos estão tão integrados no dia a dia das pessoas.

“Os equipamentos móveis são grandes testemunhas de ações, fraudes e crimes. Uma ferramenta como essa pode recuperar mensagens de Whatsapp, históricos de navegação, mensagens enviadas e até mesmo arquivos que passaram pelo dispositivo, incluindo termos e expressões na memória do equipamento”, detalha Milagre.

O especialista conta que nem mesmo a formatar um celular usando a opção para voltar às configurações de fábrica apaga realmente os dados e que eles podem ser recuperados pela Cellebrite.

“Vai depender do tempo e preservação do equipamento, mas, se ele estiver em condições, a ferramenta pode recuperar.

Mesmo com a formatação pode ser que o equipamento ou softwares forenses consigam recuperar informações, já que as técnicas de limpeza do dispositivo são variadas e algumas não são tão efetivas”, ressalta.

Um pacote como o da Cellebrite é vendido apenas para forças policiais ou peritos forenses credenciados. “Estas ferramentas em mãos erradas podem ser usadas para espionagem, fraudes e usos indevidos, causando danos à privacidade e direitos fundamentais de pessoas”, finaliza.

VEJA A COMVERSA

 

FONTE: PORTAL CM7