Sorveteiro gasta R$ 71 mil que recebeu de indenização em farra e volta a vender picolé

88720

Durante cerca de 60 dias, nos primeiros meses deste ano, Luiz Fernando de Arruda, de 32 anos, ficou famoso na cidade onde mora, Guandu, no Espírito Santo, após ser indenizado em R$ 71 mil e ter gasto tudo em 30 dias.

A fama veio depois dele aparecer nas redes sociais com o bordão “Não dá nada”. Pescador desde criança, Fernando, como é mais conhecido, viveu durante pouco mais de 30 dias uma vida de rei: churrascada diária com os amigos, muita bebida e comida, passeios de uma moto comprada com a indenização.

“Era churrascada todo dia, a noite toda, com muita bebida e som de qualidade. Enchi a casa com meus amigos e festejamos demais. Comprei também uma moto, que já vendi, o celular também já vendi e adquiri uns passarinhos caros, que são minha paixão. Não tenho mais nada”, relata Fernando, que já está se preparando para voltar a vender picolé pelas ruas de Baixo Guandu, ofício que lhe garantia o sustento.

“Só estou esperando esquentar um pouquinho, neste frio vender picolé é difícil”, afirma Fernando, que acrescenta não sentir vergonha de voltar ao velho ofício.

“Eu experimentei mesmo uma vida de rei e não me arrependo nem um pouquinho. Um dia todo mundo vai morrer né, e eu queria me divertir. Vou vender meus picolés sem tristeza, não me arrependo de nada. Dinheiro não é tudo na vida e gastei mesmo”, disse.

Fernando aguarda agora uma restituição de R$ 5 mil de Imposto de Renda, segundo ele, para recomeçar a vida em companhia da esposa e de uma filha pequena, morando na mesma casa no bairro Sapucaia.

“Vou vender meus picolés sem tristeza, não me arrependo de nada. Dinheiro não é tudo na vida e gastei mesmo. Vivi uns 30 dias de muita festa. E não dá nada”.

 

FONTE: CM7