Prefeito está em contato com o governador para tentar retirar Vilhena da lista de fechamento geral

6612

O prefeito de Vilhena, Eduardo Japonês (PV) e seus assessores estão em contato com o governador Marcos Rocha (PSL), para buscarem um entendimento para que Vilhena seja retirada da lista das 23 cidades que deverão fazer “lockdown” a partir desta quarta-feira.

No decreto estadual publicado na manhã desta terça-feira, 30 de junho, Vilhena e outras 22 cidades entram na lista porque os leitos de UTI em sua macrorregião estariam acima de 80%. No entanto, a realidade vilhenense é outra e os leitos de UTI estariam apenas 50% ocupados.

O governo contou os leitos de UTI disponíveis no Conesul e avaliou que a ocupação estaria acima de 80%. Uma reavaliação dessa matemática errônea que o prefeito estaria tentando arrumar junto ao governo do Estado.

Segundo fontes do Vilhena Notícias o prefeito também reunido com a assessoria jurídica buscando soluções e entendimentos sobre o caso.

Publicidade


Porém, a prefeitura até o momento não emitiu nenhuma declaração oficial, nem se está avaliando ou não seguir o decreto. O silêncio do órgão tem deixado milhares de comerciantes vilhenenses à deriva, na questão de abrir ou não seus comércios nesta quarta-feira.

Caso o município não consiga que o governo retire Vilhena da lista, restará duas opções, fazer valer a lei municipal que orienta o fechamento apenas quando 80% do leitos para Covid-19 forem ocupados, ou obedecer o decreto e entrar na justiça para tentar reverter a decisão.

Confira o que poderá ficar aberto se o decreto estadual prevalecer:

a) açougues, panificadoras, supermercados e lojas de produtos naturais;
b)atacadistas e distribuidoras;
c) serviços funerários;
d) hospitais, clínicas de saúde, clínicas odontológicas, laboratórios de análises clínicas e farmácias;
e) consultórios veterinários e pet shops;
f)postos de combustíveis, borracharias e lava-jatos;
g) oficinas mecânicas, autopeças e serviços de manutenção em geral;
h)serviços bancários, contábeis, lotéricas e cartórios;
i) restaurantes e lanchonetes localizadas em rodovias;
j) restaurantes e lanchonetes em geral, para retirada (drive-thru e take away) ou entrega em domicílio (delivery);
k) lojas de materiais de construção, obras e serviços de engenharia;
l) lojas de tecidos, armarinhos e aviamento;
m) distribuidores e comércios de insumos na área da saúde, de aparelhos auditivos e óticas;
n) hotéis e hospedarias;
o) segurança privada e de valores, transportes, logística e indústrias;
p) comércio de produtos agropecuários e atividades agropecuárias;
q) lavanderias, controle de pragas e sanitização ; e
r) outras atividades varejistas com sistema de retirada ( drive-thru e take away) e entrega em domicílio (delivery);

CLIQUE E CONFIRA O DIÁRIO OFICIAL

Comentários