PM vai atuar na fiscalização de trânsito em Vilhena

Já são quase 62 mil veículos circulando pelas ruas da cidade, segundo dados do Detran

7608
Foto: Renato Spagnol

Policiais Militares já estão estuando na fiscalização de trânsito em Vilhena. Um convênio foi firmado entre Estado e Município e policiais do Pelotão de Trânsito iniciaram na segunda-feira (30/09) agir nas infrações que envolvem estacionamento proibido, falta de cinto de segurança e avanço em sinal vermelho. Locais devidamente sinalizados destinados a deficientes físicos, a idosos e outras especificações serão fiscalizados.  Segundo o Pelotão de Trânsito, 23 policiais vão poder atuar como agentes de trânsito e aplicar multas aos motoristas infratores.

O Município estava sem convênio com o Governo desde 2014. Em 2017 um acordo chegou a ser firmado, mas ele nunca entrou em vigor pois não cumpria exigências de caráter legal previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Na página oficial do 3º BPM o Comandante do Pelotão de Trânsito, Sargento Odair, explicou que na primeira quinzena deste mês o trabalho será de orientação e conscientização dos condutores.

A frota de veículos em Vilhena cresceu de 17% nos últimos quatro anos. Já são quase 62 mil veículos circulando pelas ruas da cidade. Automóveis e motos representam mais da metade da frota. Os dados foram divulgados em 2019 pelo Detran.

“O objetivo das fiscalizações não visa arrecadação, mas que o condutor seja consciente e deixe a vaga destinada a idoso ou deficiente livre para uso destes. Com o aumento da frota em todo o país e também em Vilhena, alguns condutores não respeitam as vagas destinadas a deficientes ou a idosos e acabam por ocupar estes estacionamentos de forma irregular, causando transtorno para as pessoas que necessitam usar essas vagas exclusivas”, frisa o Sargento Odair.

O Pelotão esclarece ainda que “após o período de orientação, o condutor que for flagrado em situação irregular de estacionamento, circulação e parada, será autuado e estará sujeito as medidas administrativas”.

 

Fonte: Com informações do 3º BPM