Após denúncias, acadêmicos de fisioterapia estão impedidos de retornarem aos estágios e pedem uma resposta do MP

Sem respostas do Ministério Público, os acadêmicos vão as redes sociais pedirem ajuda dos representantes no governo

1788

As denúncias contra os acadêmicos de fisioterapia da UNESC foram feitas no dia (01/04), desde então os acadêmicos alegam estarem sem respostas do Ministério Público. Uma das denúncias teria partido supostamente da mãe de uma das acadêmicas, a mãe alegava em sua denúncia que os acadêmicos estariam estagiando sem terem sido vacinados contra a covid-19. Já a segunda denúncia, foi feita após acadêmicas do curso terem postado fotos em suas redes sociais recebendo a vacina, na denúncia estava “digitais influencers foram vacinadas, supostas acadêmicas de fisioterapia”.

De acordo com uma acadêmica de fisioterapia do 9°período, que prefere não se identificar, no dia em que foram notificados sobre as denúncias, sua turma estava atendendo pacientes na UBS Afonso Mansur, já outros alunos estavam no Hospital Regional e no CER. Assim que foram comunicados do ocorrido, os estudantes foram orientados pelo coordenador do curso de fisioterapia Kim Mansur e pela professora Aline Fernanda responsável pelo estágio na UBS, que se retirassem dos locais.

Após as denúncias, o corpo docente do curso juntamente com o coordenador, foram até o Ministério Público comprovar através da carteira de vacinação dos acadêmicos, que eles estavam vacinados com a primeira dose da vacina por se tratarem de estudantes da saúde e para que assim pudessem estagiar na rede pública.

Porém, até nesta segunda-feira (12), os alunos e o coordenador do curso não teriam recebido respostas do Ministério Público sobre como ficaria a situação dos estudantes.

Segundo a acadêmica, no estágio eles atendiam pacientes que muitas vezes não conseguiam ser atendimentos ou dar continuidade ao seu tratamento pela rede pública do município.

Diante da situação, os alunos foram as redes sociais pedirem respostas do MP para retornarem aos estágios, pois até que o Ministério Público não se manifeste, os estudantes estão impedidos de voltarem as atividades.

Nas redes sociais os acadêmicos estão pedindo ajuda dos representantes no governo para que sejam liberados a estagiar e assim consigam se formar.