Agricultura familiar como modo de vida; candidato quer priorizar pequeno produtor vilhenense em seu mandato

Há 17 anos, Seu Arlindo vive do que planta.

2020
Arlindo e seu família em sua propriedade.

São três, os projetos principais ligados ao pequeno produtor, do concorrente ao cargo de vereador em Vilhena, Arlindo, do PTB. Ele que há 17 anos se sustenta da agricultura familiar, visa incentivar e alavancar os produtores agrícolas. Distribuição de sementes, assistência técnica ao produtor e cascalhamento das estradas, são os pontos em que ele pretende focar.

Seu Arlindo de 76 anos e que levanta todo dia às 04h30 para cuidar de seus afazeres. Ele é pai de cinco filhos, avô de nove e bisavô de 2 duas crianças. Em se tratando de lavoura, sete pessoas cuidam do cultivo da terra, plantação, colheita e entrega na cidade. “Quando todos têm o mesmo objetivo e visão certa do que se quer, é possível viver exclusivamente da agricultura familiar. Há 17 anos estamos vivendo apenas das nossas plantações”, disse Arlindo.

Os projetos

Assistência técnica ao produtor
Arlindo diz que a primeira coisa a se fazer com os pequenos produtores de Vilhena e região é o fato de trazer conhecimento para que eles saibam aproveitar melhor, tanto seu espaço de terra, quanto suas sementes e animais. “É preciso trazer especialização para os agricultores. Eu mesmo já trouxe diretores de grandes empresas do ramo para Vilhena. Chegamos a reunir 300 pessoas na Cooperfrutos em uma ‘semana de campo’, onde podemos aprender muito”, Falou Arlindo.

Distribuição de sementes
“Terra tem, gente para trabalhar mais ainda”. Assim definiu seu Arlindo. Ele pretende buscar parcerias para que o município conceda as primeiras sementes para produtores. “Nós podemos buscar apoio, formar parcerias. Muito da produção pode voltar ao município de forma gratuita, mas é preciso incentivar o começo dos produtores. Muitos deles não têm condições de começar a produzir”, lembrou.

Cascalhamento das estradas
“Isso é o básico do básico que o município tem a se fazer. É quase uma obrigação que tenhamos estradas trafegáveis para a zona rural. De lá vem muito do que é consumido na cidade, então é preciso organizar manutenção nas vias para que o escoamento de tudo isso que falamos, seja feito de formar coerente”, declarou Arlindo.