Acabaram os tijolos em Vilhena, lojas não têm mais o produto em estoque

Crise deve durar por pelo menos 60 dias explica empresário.

7032

Praticamente todas as lojas de materiais de construção estão sem estoque de tijolos para vender aos consumidores vilhenenses. Os produtos só são entregues cerca de 30 dias após o pedido.

O VILHENA NOTÍCIAS conversou com alguns lojistas para saber o porquê dessa falta de tijolos na cidade, e descobriu que a situação é a mesma em quase todo o estado de Rondônia.

Um dos lojistas disse que provavelmente a falta do produto aconteça em decorrência da pandemia que afastou vários trabalhadores da linha de produção, seja por medidas sanitárias ou por terem contraído o vírus.

E com a falta de produto, nada mais normal dentro da economia de mercado do que este produto ter o preço elevado. Hoje em Vilhena o milheiro de tijolos que era vendido na média de R$ 600-650, dependendo do modelo, hoje tem a média de R$ 730,00.

Publicidade


ESPECULAÇÃO

Outra fonte do VILHENA NOTÍCIAS disse que existe uma especulação em relação aos tijolos na cidade, devido as grandes obras que serão realizadas em breve. Exemplo é a construção do supermercado do grupo Irmãos Gonçalves, o novo atacadão do grupo Friron, um minishopping próximo ao bairro Barão III e de um novo campus da Faculdade Fimca.

Além de que diferente do que se imaginava, com pandemia a venda de materiais de construção aumentou muito na cidade, segundo os lojistas. “As pessoas ficaram em casa e decidiram fazer uma reforma, ou optaram em utilizar o tempo livre para construir”, disse um dos comerciantes.

INDÚSTRIA VILHENENSE

Eliar Negri é empresário do ramo cerâmico.

O empresário Eliar Negri, da cerâmica Santo Augusto de Vilhena, disse que o setor vem sofrendo há anos um problema de precificação dos produtos, que aliado a pandemia causou essa crise no setor.

“Bom parte do setor de cerâmica no país, cerca de 6 mil indústrias, são um tanto amadores e os industriais não estavam sabendo precificar seus produtos. O preço sempre foi baixo, e isso já vinha causando uma crise no setor, que com a pandemia só piorou e deixou todo o país nesta situação, não só Rondônia e Vilhena”, explicou Eliar.

O empresário relatou ainda que o problema deve durar pelo menos mais 60 dias para se normalizar.

“Um exemplo de que o setor estava em crise, é que em Pimenta Bueno existiam 15 indústrias, e hoje existem apenas 04. Com pandemia todas estão sofrendo. Nós aqui também tivermos que parar por 10 dias, nos organizar, e isso leva tempo para voltarmos a normalidade. Acredito que dentro de 45 a 60 dias tenhamos a situação normalizada em Vilhena e no país”, frisou.

Em relação ao aumento de demanda na construção civil, Eliar explica que o fenômeno também é nacional, mas causado pelo governo federal, “O governo injetou dinheiro para a população através do auxílio emergencial, saques do FGTS e linhas de créditos. Isso fez as pessoas investirem em construções e reformas. Agora o governo está fazendo um investimento parecido para as empresas, o que fará várias empresas e indústrias retomarem a normalidade”, finalizou.

 

Comentários