Pastor preso por estupro em Cuiabá passava ‘óleo ungido’ na genitália de meninas

O líder religioso cometia abusos duração oração com as vítimas e foi preso nesta quarta-feira.

4180
Foto: Reproduçã

Um pastor de 42 anos foi preso em Cuiabá, na manhã desta quarta-feira (18), acusado de estupro de vulnerável cometido contra quatro vítimas, sendo duas delas menores de idade, em Confresa (1.160 km de Cuiabá). Ele teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, após delegacia da cidade apurar as quatro denúncias.

O acusado tinha o mesmo modus operandi. Ele cometia os abusos durante oração com as vítimas. O homem dizia que tinha que passar óleo ungido nas partes íntimas das vítimas, pois alguém havia feito “magia negra”. Então, levava as vítimas para um quarto ou outro cômodo da igreja, passava o produto no corpo e nas partes íntimas delas e praticava os abusos.

O mandado de prisão foi cumprido por policiais civis do Plantão de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica e Sexual de Cuiabá, coordenados pela delegada Jannira Laranjeira, em apoio à Delegacia de Confresa.

As diligências começaram após o registro do primeiro boletim de ocorrência, em agosto de 2021. A denúncia dizia que o pastor se aproveitava da função para praticar os abusos sexuais. Segundo informações, o investigado residia em Cuiabá e cometia os crimes quando ia à cidade de Confresa realizar cultos e encontros pastorais.

Uma das vítimas participava de uma conferência na igreja, quando o líder religioso chamou a menor em um quarto fechado e acariciou as partes íntimas da adolescente, utilizando de subterfúgios ligados ao ministério pastoral a ele confiado. Em outro momento, ele realizou uma chamada de vídeo para a menor, em que aparecia manipulando e exibindo o órgão genital.

A segunda vítima, de 17 anos, relatou que no mês de fevereiro deste ano foi até igreja evangélica falar com pastor, para que ele fizesse uma oração. Então ele a levou até o banheiro da igreja, deu um óleo e pediu para passar na barriga. Na sequência, o investigado passou o óleo pelo corpo da vítima, que começou a sentir tontura. Então, o pastor tirou o vestido da adolescente e praticou os atos sexuais.

Com base nas investigações, depoimentos, indícios e provas colhidos pela equipe de investigação, foi representada pela prisão preventiva do investigado pelo crime de estupro de vulnerável, deferida pela Justiça.

Diante da ordem judicial decretada foi solicitado apoio ao Plantão de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica e Sexual de Cuiabá, que efetuou a prisão do pastor em sua residência, no bairro residencial Nico Baracat, na Capital.

Após o cumprimento do mandado, ele será apresentado em audiência de custódia ficando à disposição do Poder Judiciário.

 

Fonte: REPÓRTER MT