Biomédico é preso por usar assinatura de médico cassado em dois estados

552

Rafael Bracca, o biomédico e influencer preso na quarta-feira (1º/11) por exercício ilegal da profissão, usava o carimbo e a assinatura de um médico cassado em duas unidades federativas. O Metrópoles teve acesso a documentos da clínica e pedidos de exame no nome do médico Herval Cavalcanti Pereira de Sá Martins, emitidos em junho de 2023.

Além de não poder atuar desde março, ele nega ter assinado qualquer papel da clínica neste ano. Bracca é alvo de denúncias de um grupo de cerca de 10 mulheres, de Brasília, Goiás e São Paulo, que relatam ter sofrido danos irreversíveis à saúde depois de realizarem um procedimento no bumbum, chamado “protocolo TX-8”, conduzido pelo biomédico. Além disso, o homem virou réu por tráfico de drogas, após a Polícia Civil encontrar substância proibida no consultório.

E a prisão recente, em flagrante, aconteceu por crimes de exercício irregular de atividade e venda de medicamentos sem autorização. Somada às denúncias, algumas em apuração e outras já concluídas pela polícia, há agora a relação com o médico Herval Cavalcanti.

Ele foi cassado pelo Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) em março de 2023 e, um mês depois, pela unidade de Goiás do CRM. Os documentos obtidos pelo Metrópoles, porém, mostram indícios de possível atuação dele na clínica após essas cassações. Há pedidos de exames realizados pela clínica de Rafael Bracca, como solicitações de PCR para detecção de Covid-19, coleta de hemograma e mais.

O carimbo e a assinatura são de Herval, que nega ter feito qualquer documento semelhante para o consultório de Bracca neste ano. Herval ainda diz que já prestou depoimento policial por conta desse caso e que testemunhas confirmam que ele não estava trabalhando na clínica.

“Estou na Justiça contra o Conselho [Regional de Medicina]. Não foi correto o que fizeram comigo, sempre tiveram perseguição contra quem atua na medicina ortomolecular”, alega sobre a cassação. A cassação do médico que trabalhava com Bracca foi fundamentada, segundo o CRM, por infração a cinco artigos do Código de Ética Médica de 2009.

Tais dispositivos proíbem praticar ou indicar atos médicos desnecessários ou proibidos pela legislação vigente no país, deixar de cumprir as normas dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina, exagerar a gravidade do diagnóstico ou do prognóstico, complicar a terapêutica ou exceder-se no número de visitas e participar de anúncios de empresas comerciais valendo-se da profissão.

Pacientes ouvidas pelo Metrópoles denunciam que era Rafael Bracca quem assinava os documentos pelo médico. Algumas nunca chegaram a ver Herval na clínica e dizem que sempre pegavam os pedidos de exame diretamente das mãos do biomédico. Procurada, a defesa de Bracca afirmou que vai aguardar as investigações de novos fatos.

A prisão A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu em flagrante, na tarde de quarta-feira (1º/11), o biomédico Rafael Bracca, acusado por mulheres de pelo menos três unidades da Federação de causar danos irreversíveis à saúde e à estética delas, após passarem por um procedimento no bumbum. Ele acabou detido na clínica que já havia sido interditada anteriormente, na 610 Sul, por exercício irregular da atividade.

 

Por R7