Notícia publicada às 11:08:57 - 08/06/2018 e lida: 5624 vezes   
    
  
  
Investigação da Polícia Civil recuperada carga de óleo diesel roubada e prende 7 pessoas
Uma mulher ainda é procurada: motorista do caminhão foi preso por simular roubo e estelionato.

Investigação da Polícia Civil recuperada carga de óleo diesel roubada e prende 7 pessoas
Investigação da Polícia Civil recuperada carga de óleo diesel roubada e prende 7 pessoas
Foto: Divulgação

Por
Redação

A investigação da Polícia Civil de Vilhena recuperou na tarde de quinta-feira (7) a carga de 60 mil litros de óleo diesel que fora roubada na quarta-feira (6) no trecho entre Vilhena e Pimenta Bueno e resultou até o momento na prisão de 7 pessoas, dentre elas está o motorista Ualansy Coutinho Machado, de 34 anos, que transportava carga, ele é acusado por um dos integrantes do bando de participação no esquema criminoso. A recuperação do veículos e carga teve a participação da Polícia Militar.

Os outros envolvidos no roubo são: Gilvan Sperancete de Araújo, de 24 anos, ele delatou o motorista. Nedivaldo Donizete dos Santos, de 43 anos; Jackson Espindola Barros, de 46 anos; Mauricio Sperotto, de 27 anos; Vagner Negri Balansin, de 35 anos e Ramon Leite Guimarães, de 27 anos. A polícia agora apura qual o envolvimento de cada um deles no roubo e comercialização do combustível.

De acordo com o delegado do caso, André Sousa Carli, o galpão onde a carga de óleo diesel estava escondida pertence a um dos envolvidos no roubo. Segundo o delegado o criminoso teria feito um falso contrato de locação para enganar a polícia sobre o real proprietário do depósito. O local fica na rua Goiás, setor industrial de Vilhena. Já o “Cavalo” mecânico estava escondido em meio a uma plantação de milho às margens da BR-174, a cerca de 50 km da área urbana e foi encontrado na quarta-feira.

Reviravolta

No início a investigação se concentrou no possível sequestro do motorista Ualansy Coutinho para roubo da carga, mas com a localização e prisão de Gilvan Sperancete o caso teve uma reviravolta.  Em um primeiro momento Gilvan, assim como Ualansy, disse que tinha sido vítima de sequestro, no entanto, ele mudou sua versão ao prestar depoimento à Polícia Civil e confessou fazer parte do grupo que planejou o roubo da carga e acusou o motorista Ualansy Coutinho de ser cumplice no crime. O motorista nega.

O inquérito que envolve a prisão de Gilvan e Ualansy foi aberto pela delegada Solangela Guimarães. Ela ouviu os dois envolvidos, e esclarece que o caminhoneiro apresentou contradição em diversos pontos do depoimento, e por isso foi decretada a prisão dele por simulação do roubo, o que gerou prejuízo a empresários responsáveis pela carga e estelionato. Ele deve permanecer preso até que o caso se esclareça.

Ainda em depoimento à delegada, Gilvan disse que uma mulher fez parte do grupo, ela teria sido a responsável por manter contato com Ualansy Coutinho para leva-lo até o ponto onde o caminhão foi entregue ao restante do bando. Essa mulher ainda não foi encontrada pela polícia.

Os dois inquéritos abertos sobre o caso, serão unificados, e ficará a cargo do delegado André Sousa Carli que conduzirá as investigações.

Carga pronta para ser vendida

O delegado Carli disse à reportagem do Vilhena Notícias  que a carga estava pronta para ser comercializada: “o lacre já estava rompido e a carga começaria a ser vendida”.

A polícia acredita que o combustível seria comercializado em postos do Cone Sul de Rondônia.

Carga de fungicida

No mesmo depósito onde estava o combustível a polícia encontrou 220 galões de fungicida da marca Fox. O material é avaliado em R$ 836 mil.

 

Leia ainda

Polícia prende suspeitos de terem comprado carga de óleo diesel roubada

Caminhoneiro que alegou ter sido sequestrado é preso por suposto envolvimento no roubo de 60 mil litros de óleo diesel

Delegado André Sousa Carli conduzirá conclusão do inquérito.

 

FONTE: VILHENA NOTÍCIAS

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.