Notícia publicada às 20:22:37 - 30/05/2018 e lida: 5611 vezes   
    
  
  
PF nega versão de ministro e diz que suspeito de matar caminhoneiro não foi preso
Suspeito atirou pedra contra o para-brisa do veículo em movimento.

PF nega versão de ministro e diz que suspeito de matar caminhoneiro não foi preso
PF nega versão de ministro e diz que suspeito de matar caminhoneiro não foi preso
Foto: Divulgação/PRF

Por
Redação

Minutos depois do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciar em rede nacional a prisão do suspeito de matar o caminhoneiro José Batistela, de 70 anos, em Vilhena, a Polícia Federal (PF) deu declaração e negou a versão do ministro.

>> Caminhoneiro morto pode ter sido perseguido depois que passou por grupo de manifestantes

José foi atingido pela pedra logo depois de deixar o pátio de um posto de combustível e seguia viagem rumo ao Mato Grosso. Ele era morador de Jaru, em Rondônia. Era casado, tinha filhos e estava levando uma carga de madeira para Mirassol, no estado vizinho.

Segundo Jungmann, durante coletiva de imprensa em Brasília (DF), o principal suspeito estaria prestando depoimento e o chefe do grupo, que provocou a mobilização, também está sendo ouvido por policiais federais em Vilhena.

O ministro classificou a morte do caminhoneiro como trágica e desumana. "Esta tragédia não deveria ter acontecido no movimento, que começou de forma justa", diz.

Jungmann ressaltou que o caso de Vilhena está sendo acompanhado pelas autoridades em Brasília.

 

Testemunhas

Testemunhas relataram que o caminhão depois que passou por um grupo de manifestantes foi perseguido e ultrapassado por um veículo cujos ocupantes arremessaram uma pedra que quebrou o para-brisa e atingiu a cabeça do caminhoneiro, que morreu no local.

José Batistela, de 70 anos. (Foto/Arquivo Pessoal).

 

FONTE: Com informações do G1

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.