Notícia publicada às 12:57:34 - 08/03/2018 e lida: 632 vezes   
    
  
  
Em 2017, delegacias registraram mais de mil ocorrências de violência contra a mulher no Cone Sul
Ameaça e lesão corporal são as mais comuns. Para delegada, índices são altos.

Em 2017, delegacias registraram mais de mil ocorrências de violência contra a mulher no Cone Sul
Em 2017, delegacias registraram mais de mil ocorrências de violência contra a mulher no Cone Sul
Foto: Ilustrativa

Por
Aline Rayane

As delegacias da região do Cone Sul de Rondônia registraram 1.091 ocorrências de violência contra a mulher em 2017. Os dados são da Delegacia Regional de Polícia Civil de Vilhena. Dentre as denúncias, ameaça e lesão corporal são as mais comuns.

A delegacia de Vilhena abrange Chupinguaia, Boa Esperança, São Lourenço, Guaporé, Novo Plano, Corgão, Nova Londrina e Nova Conquista. Nela foram registradas 864 ocorrências. Dessas, 465 foram de ameaça, 265 de lesão corporal e 60 denúncias de estupro.

Na delegacia de Colorado, que abrange Cabixi, houveram 101 ocorrências, entre elas 67 por ameaça, 18 por lesão corporal e 12 de estupro.

Já a delegacia de Cerejeiras que engloba Corumbiara, Pimenteiras do Oeste, Rondolândia, Vitória da União e Verde Seringal, houve o registro de 127 denúncias. Foram 61 de ameaça, de por lesão corporal e 24 de estupro.

Na região, ainda foram registrados 2 feminicídios.

Veja: Feminicídio: caso de Jéssica Hernandes completa um mês

Crescimento populacional e relacionamentos prematuros contribuem com o aumento do índice de violência contra a mulher

Lei Maria da Penha faz 10 anos: Número de denúncias de violência doméstica tem aumentado em Vilhena

Para a delegada titular da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam) de Vilhena, Solângela Guimarães os índices são altos.

“É preocupante, mas sempre digo que os casos não têm aumentado e sim as denúncias. Hoje com o amparo das leis as mulheres estão tomando cada vez mais providências e denunciando as agressões que sofrem”, contou ao Vilhena Notícias.

Segunda Solângela, a maioria das vítimas são mulheres de 15 a 50 anos. Ela afirma ainda que casos de violência contra a mulher acontecem em todas as classes sociais. Na região do Cone Sul, a delegada destacou que há muitos casos de violência no campo.

“Já houve caso da mulher fugir com os filhos e passar a noite no mato, pegar carona e conseguir ir até a delegacia para fazer a denúncia”, relatou.

Como denunciar

Qualquer pessoa pode denunciar a violência contra a mulher. Pelo Ligue 180 da Central de Atendimento à Mulher a denúncia é feita em anonimato.

Em Vilhena, a queixa pode ser feita também direto na Deam, localizada na Avenida Paraná, 2141, Bairro Boa Esperança ou na Unidade Integrada de Segurança Pública, situada na Rua Luiz Mazieiro, 45, Bairro Jardim América.  

 

Para a delegada Solângela, os índices são altos.

 

FONTE: Vilhena Notícias

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.