Notícia publicada às 12:09:32 - 21/02/2018 e lida: 2015 vezes   
    
  
  
Greve na educação ainda não atingiu 100% das escolas de Vilhena, entenda
No colégio Militar Tiradentes a aula no período da manhã foi parcial. Alguns dos professores já aderiram à greve.

Greve na educação ainda não atingiu 100% das escolas de Vilhena, entenda
Greve na educação ainda não atingiu 100% das escolas de Vilhena, entenda
Foto: Renato Spagnol

Por
Renato Spagnol

A greve anunciada pelo Sintero (Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia), para ter início às 00h00 desta quarta-feira, 21 de fevereiro, ainda não atingiu todas as escolas da rede estadual do município de Vilhena.

>>GREVE: escolas da rede estadual em Vilhena paralisam atividades por tempo indeterminado

A categoria se reúne hoje na sede do Sintero em Vilhena, para discutir quantos professores irão aderir à paralisação.

Para saber os efeitos da greve, o Vilhena Notícias ligou para algumas escolas: na escola Maria Arlete Toledo teve aula normal no período matutino, e segundo a instituição, será assim no período vespertino e noturno. “Somente após a reunião do Sintero é que saberemos quais professores irão parar as atividades”, disse a escola.

No colégio Militar Tiradentes a aula no período da manhã foi parcial. Alguns dos professores já aderiram à greve.

A escola Marechal Rondon não respondeu à chamada. No Wilson Camargo as aulas são ministradas normalmente no dia de hoje, e somente amanhã a direção dará um posicionamento de quantos e quais professores irão paralisar as atividades. A única escola das contatadas pelo site que já aderiu à greve com 100% dos professores, foi o Álvares de Azevedo.

A orientação é que os pais dos alunos da rede estadual entrem em contato com a escola do filho, para saber se haverá ou não aula. O Vilhena Notícias continua acompanhando a paralisação da categoria.

 

 

FONTE: Vilhena Notícias

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.