Notícia publicada às 11:45:54 - 20/01/2018 e lida: 1317 vezes   
    
  
  
EMBRIAGUEZ: Lei seca prende Desembargador, advogado, PC e mais 23 pessoas
Dirigindo um automóvel modelo Etios, um policial civil de 34 anos apresentava sinais de embriaguez e também foi preso por meio de constatação.

EMBRIAGUEZ: Lei seca prende Desembargador, advogado, PC e mais 23 pessoas
EMBRIAGUEZ: Lei seca prende Desembargador, advogado, PC e mais 23 pessoas
Foto: Reprodução

Por
Redação

Houve ainda uma pessoa presa por desacato e outra por entregar veículo para condutor não habilitado

A operação Trânsito Vivo - Lei Seca, levou 26 pessoas para a cadeia por embriaguez na direção na madrugada deste sábado (20), em dois locais distintos de Porto Velho, Avenida 7 de Setembro, na região Central e Avenida Amazonas, no Agenor Martins de Carvalho.

Um dos casos que mais chamou a atenção foi o de um Desembargador. Ele dirigia um automóvel Kia Soul e ao ver a blitz parou o carro antes, porém, foi abordado por policiais militares. O homem apresentava visíveis sintomas de embriaguez e recusou fazer o teste de bafômetro, sendo preso através do auto de constatação. O carro estava com a documentação atrasada e foi apreendido.

Teve também o caso de um advogado de 52 anos. Ele conduzia um carro HRV em atraso. Alegando ter ingerido bebida alcoólica, o homem recusou fazer o teste e foi preso através de constatação. O carro foi removido ao pátio do Detran.

Dirigindo um automóvel modelo Etios, um policial civil de 34 anos apresentava sinais de embriaguez e também foi preso por meio de constatação.

Um biólogo, professor, músico e militar reformado também foram presos durante a operação. Houve ainda uma pessoa presa por desacato e outra por entregar veículo para condutor não habilitado.

Os detidos foram levados à Central de Flagrantes para os procedimentos cabíveis.

 

 

FONTE: Rondôniaovivo

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.