Notícia publicada às 09:49:43 - 15/12/2017 e lida: 1287 vezes   
    
  
  
‘’Tenho orgasmos malhando’’ por que isso não é lenda nem fantasia?
O que para muitas pessoas é apenas um exercício de leg press, para a engenheira Nathalei F Moll, 29, é uma fonte de prazer.

‘’Tenho orgasmos malhando’’ por que isso não é lenda nem fantasia?
‘’Tenho orgasmos malhando’’ por que isso não é lenda nem fantasia?
Foto: Reprodução

Por
Redação

O que para muitas pessoas é apenas um exercício de leg press, para a engenheira Nathalei F Moll, 29, é uma fonte de prazer. É que, há alguns anos, ela começou a perceber que exercícios de perna que forçavam seus músculos ao extremo provocavam algo além do cansaço.

"Quando eu chegava nesse estado de estar fatigada e me dava um negócio, um 'tuin', como se estivesse me masturbando", lembra ela, que por algum tempo tentou ignorar o que sentia.

Até que um dia, há quatro anos, enquanto fazia abdominais, decidiu ver se conseguia ir até o fim. "Estava fazendo, comecei a sentir um tesão e pensei: 'vamos ver se realmente chego no orgasmo'. Não fui nem até os 20 abdominais. Sorte que eu estava sozinha na sala".

Cientificamente comprovado

Você provavelmente está pensando agora que a história de Nathalie é mentira. Como alguém poderia ter orgasmos fazendo exercícios? Mas saiba que isso pode sim acontecer e ela não é a única: um estudo da universidade de Indiana, de 2011, confirmou a existência do chamado "orgasmo induzido pelo exercício".

Apesar da pesquisa não ter identificado o quão comum é isso entre as mulheres, foram entrevistadas no total 530 mulheres que relataram algum tipo de prazer ligado à prática de atividades físicas.

"Os exercícios mais comumente informados como indutores de orgasmo foram abdominais, escaladas e levantamento de pesos", diz a pesquisa, conduzida por Debby Herbenick e Dennis Fortenberry.

A análise científica de que mulheres podem ter orgasmos malhando é importante porque traz à luz um novo olhar para a sexualidade feminina. Se o prazer feminino é sempre analisado como algo ligado à reprodução, isso prova que na verdade as mulheres podem gozar em contextos nada sexuais.

Outro exemplo disso são os relatos de mulheres que chegaram ao orgasmo durante o parto. O que, para Priscila, tem a ver também com os estímulos ao músculo da região.

São os estímulos musculares

A psicóloga e sexóloga Patrícia Junqueira explica que o prazer durante os exercícios não tem nada a ver com uma fantasia, mas com questões físicas. "São exercícios que estimulam o músculo coccígeo, que é o músculo do assoalho pélvico, englobando a região da bacia, vagina e ânus. O pompoarismo, inclusive, nada mais é do que a contração e relaxamento desse músculo", explica ela.

Nathalie concorda, pois em nenhum momento, quando está na academia, está pensando em sexo ou fantasiando. Assim como ela, a maioria das mulheres que participaram do estudo da Universidade de Indiana, não estava fantasiando ou pensando sobre alguém quando o prazer aconteceu.

"Isso não me fez malhar mais"

Infelizmente, a pesquisa nem a pesquisadora conseguem ainda identificar exatamente porque algumas mulheres sentem prazer malhando e outras não. Mas se você está pensando que conseguir ativar isso em você seria a solução para a preguiça de malhar, Nathalie diz que não é bem assim.

"Não é que tanto faz, é legal, mas não mudou hábito algum meu. Não sou fã de academia, por mais que isso seja um plus, não me motivou. Até porque eu consigo chegar ao orgasmo de outras maneiras menos cansativas", diz ela.

Mas é claro que sentir prazer, no mínimo, torna o treino um pouco mais interessante.

 

 

 

FONTE: Uol

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.