Notícia publicada às 10:10:27 - 14/11/2017 e lida: 502 vezes   
    
  
  
Crescimento populacional e relacionamentos prematuros contribuem com o aumento do índice de violência contra a mulher
Delegada Márcia Gazoni orienta mulheres a denunciarem mesmo que seja um xingamento em tom de ameaça.

Crescimento populacional e relacionamentos prematuros contribuem com o aumento do índice de violência contra a mulher
Crescimento populacional e relacionamentos prematuros contribuem com o aumento do índice de violência contra a mulher
Foto: Jeferson Mota

Por
Redação

Apesar do receio de muitas mulheres e da desistência de outras, o número de vítimas de agressão continua aumentando, conforme a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), em Porto Velho, Márcia Gazoni, que atribui essa estatística ao crescimento populacional e também ao fato de as mulheres estarem se relacionando afetivamente cada vez mais jovens. Até esta quarta-feira (8) a delegacia contava com 943 inquéritos instaurados e 657 pedidos de medidas protetivas, somando ao todo uma média de 4 mil ocorrências registradas por ano. Ameaça seguida de lesão corporal são os atos mais comuns.

A delegada orienta as mulheres que sofrem algum tipo de agressão, ou mesmo seus vizinhos e parentes, a denunciar, mesmo que seja um xingamento em tom de ameaça, pelo telefone (69) 3216 8800 ou 180 (em nível nacional). “Não precisa se identificar”, alertou, completando que após o registro da ocorrência é solicitada a medida protetiva à Justiça e aberto o processo. No caso de agressão, a vítima antes é encaminhada ao Instituto de Medicina Leal (IML) e encaminhada à Casa Abrigo, no próprio município, inclusive com os filhos, casos os tenha.

Conforme Márcia Gazoni, a faixa etária das mulheres vítimas de agressão é dos 18 aos 35 anos, com nível de escolaridade fundamental. Já o que mais leva o homem a cometer a agressão é a ingestão de bebida alcoólica e o desemprego. Ela alertou ainda que uma vez expedida a medida protetiva, não havendo o cumprimento, o homem poderá ser preso preventivamente, assim como quando flagrado cometendo a agressão antes da denúncia.

“Há muitas vítimas que ainda têm receio de denúncia e outras desistem de seguir com o processo, mas se houve lesão corporal, é bom que fique claro, o processo segue mesmo que ela queira desistir”, observou a delegada.

Atualmente em Rondônia há seis Delegacias da Mulher em funcionamento em Rondônia, das 7h30 às 13h30. Após este horário, a delegacia continua aberta até as 19h30 (plantão), todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados. Depois das 19h30, as ocorrências podem ser registradas na delegacia mais próxima e encaminhadas via online para a Deam. “Existem mulheres que preferem o atendimento na Deam, alegando ser mais humanizado, no entanto, há muitos delegados mais sensíveis a esta causa”, ponderou.

 

 

 

FONTE: Secom - Governo de Rondônia

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.