Notícia publicada às 16:31:13 - 10/10/2017 e lida: 16346 vezes   
    
  
  
“Homem da Cruz” que passou por Rondônia morre atropelado em nova peregrinação
Paulo Cícero de Lima cruzou quase todo o Estado de Rondônia, vindo a cumprir sua promessa em Porto Velho, onde jogou a pesada cruz que carregava no rio Madeira.

“Homem da Cruz” que passou por Rondônia morre atropelado em nova peregrinação
“Homem da Cruz” que passou por Rondônia morre atropelado em nova peregrinação
Foto: Reprodução / Anoticiamais

Por
Redação

O pagador de promessas Paulo Cícero de Lima, mais conhecido como “Homem da Cruz”, 56 anos, morreu atropelado na última quinta-feira (05) na rodovia Raposo Tavares, em Cotia/SP, enquanto fazia uma nova peregrinação.

Segundo informações, Cícero foi atropelado por um carro, vindo a sofrer graves lesões e veio a óbito logo após dar entrada em um hospital daquele município.

Depois de ficar 16 anos preso acusado de homicídio, ele realizava essa peregrinação para tentar provar sua inocência.

Segundo ele, que trabalhava como pedreiro, foi preso injustamente e ficou mais de 16 anos na prisão. Perguntado sobre qual a maior dificuldade no período em que ficou preso, ele disse que foi saber que os quatro filhos estavam passando fome, pois era quem sustentava a família, já que sua esposa era dona de casa.

“Fui preso injustamente, eu estava passando na frente de onde aconteceu o crime e a polícia me prendeu. Fiquei 16 anos e 70 dias na cadeia”, explicou ele.

Ele ficou na estrada por 9 meses e passou por Jaru nos últimos dias 18 e 19 de maio. Em sua passagem pelo município, ele dcontou que viveu um dos piores momentos da viagem, onde teve pertences furtados.

Paulo Cícero de Lima cruzou quase todo o Estado de Rondônia, vindo a cumprir sua promessa em Porto Velho, onde jogou a pesada cruz que carregava no rio Madeira.

 

 

FONTE: Anoticiamais

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.