Notícia publicada às 15:43:12 - 16/05/2017 e lida: 725 vezes   
    
  
  
Comissão de Segurança Pública debate sobre rebelião no sistema prisional de Rondônia
Mortes nos presídios têm preocupados parlamentares

Comissão de Segurança Pública debate sobre rebelião no sistema prisional de Rondônia
Comissão de Segurança Pública debate sobre rebelião no sistema prisional de Rondônia
Foto: Thalita Defacci

Por
Redação

Presidida pelo deputado Jesuíno Boabaid (PMN), a Comissão de Segurança Pública (CSP), em reunião na manhã desta terça-feira (16), debateu sobre a questão dos presídios, rebelião e de segurança em unidades hospitalares.

O deputado Anderson do Singeperon (PV) explanou sobre o que acompanhou em relação a rebelião no presídio Ênio Pinheiro. O parlamentar parabenizou os agentes que controlaram os apenados que queriam invadir a Ala D. “Se tivessem conseguido teria sido um desastre”.

Anderson disse que ao final foram constatadas duas mortes, sendo uma no Urso Branco e outra no Ênio e que a situação foi muito tensa. Criticou o presídio Ênio Pinheiro, que segundo ele, não tem estrutura, é antigo, e deveria já ter sido desativado.

O deputado Jesuíno disse que é preciso provocar uma discussão, ver algum dispositivo federal e trazer para o Estado com a finalidade de responsabilizar os presos pela depredação do patrimônio público. “Eles quebram tudo, põe fogo, estragam e o Estado ainda tem de repor e pagar todos os prejuízos. Eles fazem e o Estado é responsabilizado na corte interamericana se barbaridades acontecerem”.

Arquivada

O deputado Anderson também pediu o arquivamento de denúncia sobre segurança nas unidades hospitalares. O parlamentar realizou audiência pública sobre o tema onde houve o comprometimento do secretário em elaborar um sistema para recebimento de presos.

Também participaram da reunião os deputados Dr. Neidson (PMN) e Adelino Follador (DEM).

 

 

FONTE: ALE-RO

ACESSE GANHE

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.