Notícia publicada às 09:34:57 - 10/05/2017 e lida: 1928 vezes   
    
  
  
Juíza nega pedido de Vanderlei Graebin para retornar à Câmara de Vereadores de Vilhena
O vereador foi indiciado pela PF em novembro de 2016 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Juíza nega pedido de Vanderlei Graebin para retornar à Câmara de Vereadores de Vilhena
Juíza nega pedido de Vanderlei Graebin para retornar à Câmara de Vereadores de Vilhena
Foto: Renato Spagnol

Por
Renato Spagnol

A juíza da 1ª Vara Criminal da Comarca de Vilhena, Liliane Pegoraro Bilharva negou ao réu Vanderlei Amauri Graebin (PSC), o pedido de revogação das medidas cautelares referentes ao impedimento do exercício do mandato de vereador. Mesmo preso, o parlamentar chegou a tomar posse em 15 de janeiro deste ano, mas uma decisão da justiça o proibiu de exercer a função legislativa.

Em março, o Tribunal de Justiça do Estado (TJ) concedeu habeas corpus a Graebin, mas o manteve afastamento do cargo. Em 30 de março, após novo pedido da defesa, a justiça local manteve a decisão pelo afastamento da função legislativa.

No documento protocolado junto à justiça, a defesa argumentou que existe um excesso de prazo para a conclusão do processo. “Que a medida cautelar de afastamento do cargo não é proporcional. Argumentou ainda que não há indícios de que o vereador possa obstruir as investigações”.

Em resposta a juíza destacou na decisão que a tese da defesa no tocante ao excesso de prazo na formação da culpa não tem fundamento “em razão da complexidade do caso, número de acusados e quantidades de testemunhas” arroladas no processo.

A Decisão Interlocutória de 04 de maio, ainda ressalta que “gravidade do crime em questão restou evidenciada nos requisitos da prisão preventiva anteriormente decretada, consubstanciando a necessidade de garantia da ordem pública, a fim de coibir a reiteração criminosa, de modo que a aplicação da suspensão da função pública era e é medida necessária. Portanto, existindo indícios de que o retorno ao cargo de vereador possa dar ensejo a novas práticas ilícitas, o afastamento do cargo deve ser mantido, eis que proporcional ao caso em análise”.

 

INDICIAMENTO

No início de novembro de 2016 a Polícia Federal – PF de Vilhena, concluiu o inquérito policial da Operação “Tropa de Choque” que levou ao indiciamento do vereador Vanderlei Graebin. Também é em curso um processo de cassação de seu mandato que tramita na Casa de Leis.

Leia: PF conclui inquérito e MP oferece denúncia a 6 vereadores indiciados no “Esquema dos Loteamentos”

Também foram indiciados Junior Donadon, Carmozino Alves (estes reeleitos em 2016) José Garcia, Valdemiro Dedé Moreira (Jairo Peixoto) e Marta Moreira. Com isso o Ministério Público do Estado de Rondônia – MPE ofereceu à justiça denúncia contra os parlamentares por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 

LEIA MAIS

CPI que investiga vereadores deve ser prorrogada por 30 dias

Ex-servidores prestam depoimento na CPI que pode cassar o mandato dos vereadores Graebin, Junior e Carmozino

Por sorteio, Comissão define presidente e relator para CPI de cassação de vereadores em Vilhena

 

 

FONTE: VILHENA NOTÍCIAS

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.