EcoMassa


      Notícia publicada às 08:53:55 - 06/05/2017 e lida: 4006 vezes   
    
  
  
Vereador de Vilhena tem mandato cassado por negociar tratamento de saúde a eleitores
Juiz da 4ª Vara Eleitoral cassou o mandato do parlamentar

Vereador de Vilhena tem mandato cassado por negociar tratamento de saúde a eleitores
Vereador de Vilhena tem mandato cassado por negociar tratamento de saúde a eleitores
Foto: Reprodução

Por
Redação

O juiz Gilberto José Giannasi, da 4ª Zona Eleitoral de Vilhena, cassou o mandato do vereador Carmozino Alves Moreira (PSDC), acusado de corrupção pelo Ministério Público. O vereador foi preso em outubro do ano passado pela Polícia Federal, juntamente com outros políticos eleitos na cidade, acusados de envolvimento em esquema de recebimento de propinas para liberação de loteamentos. Ele foi solto há cerca de dois meses.

A sentença que determinou a cassação do mandato do vereador deve ser publicada no Diário da Justiça na segunda-feira. Trata-se da Ação de Impugnação de Mandato Eletivo 53452, que corre em segredo de Justiça. Na denúncia, o Ministério Público Eleitoral acusa Carmozino de prometer a eleitores, a intermediação para a realização de consultas e exames, na rede pública de Vilhena. Com autorização judicial, o vereador eleito foi gravado conversando com assessores e outros envolvidos negociando atendimento para eleitores e até mesmo atestado médico para um candidato a emprego na Ceron. “O réu, na época dos fatos, era vereador e candidato à reeleição e prometeu ajudar diversas pessoas, mediante a marcação ou pagamento de exames e consultas, em plena campanha eleitoral, já que os diálogos ocorreram entre agosto de setembro de 2016”, diz o juiz.

Nas considerações do magistrado, ainda que não tenha havido o pedido expresso de voto em troca dos favores prometidos, “é certo que a benevolência atrai o sufrágio. O réu se aproveitou da necessidade e carência das pessoas, oferecendo-lhes promessas ou aquiescendo com o pedido feito por estas, durante o período eleitoral. Inequívoca, portanto, a quebra da lisura do pleito municipal, no tocante à eleição proporcional”.

As provas acabaram convencendo o juiz que ainda fez narrativa de que em depoimento, o vereador tentou se explicar afirmando que apenas tranquilizava o eleitor e fazia encaminhamento para local adequado. Foi lembrado no entanto, que na maioria das vezes, o próprio Carmozino alertava a pessoa com quem falava de que não deveria tratar sobre aquele assunto por telefone, uma vez que tinha certeza que estava sendo gravado.

Ao condenar o vereador, o juiz anulou a votação, cassou o diploma e o declarou inelegível por oito anos.

 

AFASTADO DA FUNÇÃO LEGISLATIVA

Reeleito nas eleições municipais de 2016, Carmozino Alves é um dos três parlamentares que respondem a processo de cassação na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) por quebra de decorro. Os outros dois vereadores também no processo são Vanderlei Amauri Graebin (PSC) e Angelo Mariano Donadon Junior (PSD).

Mesmo afastado das funções legislativas por determinação da justiça, Carmozino Alves continuava recebendo mensalmente o salário de ‎R$ 8 mil.

Leia mais:

CPI que investiga vereadores deve ser prorrogada por 30 dias

Justiça local mantém decisão e vereadores continuam impedidos de exercer mandatos

PF conclui inquérito e MP oferece denúncia a 6 vereadores indiciados no “Esquema dos Loteamentos”

 

 

FONTE: As informações são do jornal Rondoniagora.com

ACESSE GANHE

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.