Notícia publicada às 10:30:54 - 06/05/2017 e lida: 9449 vezes   
    
  
  
Policial Civil vilhenense investigado por tráfico internacional de drogas atuava na Delegacia de Proteção à Mulher
Policial teve concedido no dia 1º de abril do ano passado, o pedido de afastamento remunerado para homologação de aposentadoria

Policial Civil vilhenense investigado por tráfico internacional de drogas atuava na Delegacia de Proteção à Mulher
Policial Civil vilhenense investigado por tráfico internacional de drogas atuava na Delegacia de Proteção à Mulher
Foto: Reprodução

Por
Redação

Francisco Hélio de Oliveira Pantoja (foto), Policial Civil é um dos investigados na Operação “Las Chicas” desencadeada pela Polícia Federal (PF) na quinta-feira, 04 de maio, para combater o tráfico internacional de drogas em Rondônia, Amazonas e Pará.

O policial estava cedido e atuou por dois anos na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, e Proteção à Criança e Adolescente (DEAM) de Vilhena, mas teve concedido no dia 1º de abril de 2016, o pedido de afastamento remunerado para aguardar homologação de aposentadoria com base no artigo 13 da Lei nº 1068/2002. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) sob o número 68.

Ainda na quinta, agentes da PF foram até a residência onde Francisco Pantoja reside com a esposa, mas ele não foi localizado. A Justiça Federal expediu mandado de prisão contra ele por associação para o tráfico. O policial é considerado foragido.

Também é apontado como membro da organização criminosa, o filho de Pantoja que é ex-policial militar na cidade de Porto Velho. A justiça também expediu mandado de prisão contra ele.

 

INVESTIGAÇÃO

“A Justiça Federal de Guajará Mirim expediu 54 mandados judiciais, sendo 20 de prisão preventiva, 19 de busca e apreensão e 15 conduções coercitivas.

As investigações identificaram duas organizações criminosas especializadas no tráfico internacional de drogas, que do país vizinho articulavam as remessas de drogas para o Brasil.

Os integrantes dessas organizações movimentaram grandes quantias em contas bancárias próprias e de “laranjas”, que eram responsáveis por levar o dinheiro para a Bolívia. Enquanto a logística do transporte das drogas era feita a partir das cidades de Porto Velho e Vilhena, onde as drogas eram armazenadas, escondidas em veículos e distribuídas para Norte, Nordeste e Sudeste do país.

Entre 2016 e 2017 foram realizadas apreensões que somaram aproximadamente 90 quilos de cocaína (cloridrato e pasta base), o que acarretou na prisão em flagrante dos envolvidos e apreensão dos veículos utilizados para esconder os entorpecentes. Além disso, policiais federais de Guajará-Mirim apreenderam R$ 210.000,00 em espécie, no momento em que um dos criminosos atravessaria a fronteira rumo a Bolívia.

Em Rondônia, a Polícia Federal cumpre mandados nas cidades de Guajará-Mirim, Porto Velho, Vilhena, Cacoal e Novo Horizonte do Oeste. Além delas, os policiais federais cumprem mandados em Humaitá, no Amazonas, e Castanhal, no Pará.

Os presos, após serem ouvidos na Superintendência e Delegacias da Polícia Federal em Rondônia, serão encaminhados para presídios estaduais e responderão, perante a Justiça Federal, pelos crimes de tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro.

O nome da operação “Las Chicas” é em função das quadrilhas investigadas serem comandadas por duas mulheres que residem atualmente em Guayaramerín”.

Leia: PF deflagra Operação “Las Chicas” para combater tráfico internacional no estado e cumpre mandados em Vilhena

 

 

FONTE: VILHENA NOTÍCIAS/PF

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.