EcoMassa


      Notícia publicada às 17:47:47 - 19/04/2017 e lida: 765 vezes   
    
  
  
Indígena integra seleção de vôlei de areia de Rondônia e encara Brasileiro no Paraná
Ponteira da Seleção de Vôlei de Areia dos Jogos Escolares de Rondônia, Débora Patrini, entra na quadra da areia no Dia do Índio para representar o estado

Indígena integra seleção de vôlei de areia de Rondônia e encara Brasileiro no Paraná
Indígena integra seleção de vôlei de areia de Rondônia e encara Brasileiro no Paraná
Foto: Elizabete Patrini/ arquivo pessoal

Por
Redação

Representando a Seleção Escolar de Vôlei de Areia no Campeonato Brasileiro Escolar, a ponteira Débora Patrini, da etnia Cinta Larga, diz comemorar da melhor forma o Dia do Índio. As disputas iniciaram na tarde da terça-feira, 18, em Maringá, PR, mas as atletas rondonienses entram em quadra para enfrentar as jogadoras de Roraima nesta quarta-feira, 19.

Ir para uma competição em outro estado representar Rondônia no dia em que é comemorado o Dia do Índio, para Débora, é uma dupla felicidade.

- É uma felicidade enorme também poder neste dia representar os indígenas de todos os estados e não só o meu, em quadra. Agora é jogar e mostrar que Rondônia também tem pessoas do bem e que tem muito valor no esporte, apesar de muitas vezes não sermos valorizados.

A jovem de 18 anos conta que foi na escola que iniciou a vida esportiva. Desde então, Débora diz estar sempre envolvida no meio esportivo.

- No começo jogava futsal, mas depois foram surgindo outras oportunidade para entrar em outras modalidades e eu fui me adaptando e gostando cada vez mais.

Longe de casa, Débora conta que já viajou por vários lugares no país sempre representando a seleção, no entanto ela destaca que nada se compara a estar na aldeia.

- Nossa já viajei bastante e conheci vários lugares lindos, mas nada se compara a aldeia. Não consigo explicar em palavras aquele lugar, é encantador. Sempre que estou de férias passo os dias por lá.

A ponteira conta que o fato de poder fazer parte da Seleção de Vôlei de Areia dos Jogos Escolares de Rondônia vai muito além de poder representar o estado, é também uma forma incentivar os indígenas a buscarem por um espaço na sociedade.

- Eu sei que é uma responsabilidade muito grande que tenho, pois acabo sendo figura de incentivo para outros da aldeia que me veem jogar e viajar para representar o estado. Mas isso não é ruim, o que eu consegui até aqui eles também podem!

Apelidada de “Indinha” na quadra, Débora conta que nunca se incomodou com o novo nome, e sim, que o jeito carinhoso que os colegas a chamam sempre foi uma forma de aproximar pessoas que não conhece.

- Todos me conhecem como a Indinha. Isso é muito interessante porque sempre tem alguém me perguntando sobre a aldeia e como vivemos lá. É uma forma de também de também representar os indígenas, eu gosto.

A mãe de Débora, Elizabete Patrini, conta que sempre motivou a filha na prática do esporte e que a atleta é um grande incentivo para outros que vivem na aldeia.

- É um orgulho para nós indígenas Cinta Larga mostrar que somos capazes e podemos conquistar nosso espaço em qualquer lugar – diz a mãe de Débora.

Técnico da seleção, Edenelson Bazzi, conta que Débora sempre se destacou pelo interesse e dedicação ao esporte.

- Desde das primeiras aulas, a Débora sempre mostrou muito interesse no esporte em si. É uma menina dedicada que de fato ama jogar. Isso é um diferencial – fala Bazzi.

 

FONTE: GloboEsporte.com

ACESSE GANHE

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.