EcoMassa


      Notícia publicada às 08:36:00 - 13/04/2017 e lida: 588 vezes   
    
  
  
Secretário de saúde responde questões de vereadores e presta contas na Câmara
O gestor respondeu às questões dos vereadores e prestou contas do trabalho realizado nestes 100 primeiros dias do mandato da prefeita

Secretário de saúde responde questões de vereadores e presta contas na Câmara
Secretário de saúde responde questões de vereadores e presta contas na Câmara
Foto: Divulgação

Por
Assessoria

O secretário municipal de saúde, Marco Aurélio Blaz Vasques, foi convocado pelo vereador Rogério Golfetto, através de requerimento, a comparecer na sessão ordinária de terça-feira, 12, em Vilhena.

O gestor respondeu às questões dos vereadores e prestou contas do trabalho realizado nestes 100 primeiros dias do mandato da prefeita Rosani Donadon.

O plenário permaneceu lotado por mais de duas horas de sabatina. A sessão teve término por volta de 22h40. Além do secretário, estavam presentes o adjunto Evandro Gomes, o secretário de planejamento Valdinei Campos e o vice-prefeito Darci Cerutti.  

Inicialmente, Vasques foi questionado pelo vereador requerente quanto à falta de medicamentos no Hospital Regional de Vilhena. O secretário explicou que não havia estoque no início do ano e que por conta da demora dos processos de compra faltam materiais. "Aderimos Atas de Registro de Preço para acelerarmos essas compras, pois por processos licitatórios de medicamentos demoraríamos mais de seis meses. Optamos por utilizar um mecanismo legal para dar celeridade, mas a falta de medicamentos é real e estamos trabalhando incansavelmente para mudar essa realidade", comentou. 

Ainda, de acordo com o titular da pasta, funcionários trabalham no sofrimento com a falta de materiais "apagando o incêndio diariamente". "Não deixamos de atender nenhum paciente com caso de urgência e emergência por falta de material", foi a principal fala do gestor sobre o assunto. Marco Aurélio disse também que essa é a situação da farmácia hospitalar, enquanto os outros medicamentos da rede pública de saúde estão sendo adquiridos através de licitação.

Ainda questionado por Rogério Golfetto quanto à questão de médicos, o secretário informou que os médicos estão sendo convocados através do processo seletivo e que há previsão de regularização rápida. Além disso, Vasques informou que a anestesiologia foi resolvida através da contratação de uma empresa e que especialidades como neurologia e oftalmologia logo estarão funcionando no município, sendo que há muito não funcionava. Segundo ele, ainda há dificuldades com a escala do pronto socorro do hospital.

Posteriormente, alimentação no HR, cuidados da Atenção Básica, contratação de Agentes Comunitários de Saúde (ACS's), compra de equipamentos, abertura da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), limpeza e coleta de lixo do hospital e outros assuntos foram levantados pelos vereadores e respondidos pelo secretário.

Outro ponto comentado pelo gestor foi a recepção do Regional. "Faremos um remanejamento de funcionários, de forma que consigamos atender com mais eficiência cada paciente e iniciaremos a classificação de risco, para que o usuário do serviço público possa sem bem recepcionado e que a espera seja de acordo com a necessidade de urgência. Os servidores são instruídos a tratar com carinho cada cidadão que passa por ali", detalhou.

Ao final, Vasques reforçou que a gestão precisa de seis meses para obter um equilíbrio, mas lembrou que a Saúde já conquistou muitos avanços nestes primeiros dias. "A prefeita pode contar com a minha lealdade. Ela me ordenou que o setor fosse colocado nos trilhos até início de julho e iremos cumprir o compromisso que foi firmado com o vilhenense", encerrou.

O secretário explicou que não havia estoque de medicamentos no início do ano e que por conta da demora dos processos de compra faltam materiais.

 

FONTE: Assessoria da Câmara

ACESSE GANHE

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.