EcoMassa


      Notícia publicada às 08:27:44 - 15/08/2016 e lida: 2058 vezes   
    
  
  
Defesa Civil: Não houve mortes no desbarrancamento que arrastou carretas para dentro do rio Madeira na capital
Moradores disseram sentir chão tremer na hora do acidente fluvial.
Cerca de 15 tanques de combustível e uma caminhonete foram arrastados.

Defesa Civil: Não houve mortes no desbarrancamento que arrastou carretas para dentro do rio Madeira na capital
Defesa Civil: Não houve mortes no desbarrancamento que arrastou carretas para dentro do rio Madeira na capital
Foto: Matheus Henrique

Por
Redação

A Defesa Civil de Porto Velho classificou na manhã deste domingo (14), o desbarrancamento que arrastou cerca de 15 tanques de combustível para o Rio Madeira, como erosão fluvial, em Porto Velho. Segundo os moradores da região, na hora do acidente o chão tremeu e assustou a população. No local funcionava um posto de carga que recebe piche para asfalto que vem de Manaus. O peso dos veículos ajudou na erosão. Ninguém ficou ferido.

O pescador Tarcísio Soriano estava no Rio Madeira e ouviu quando a primeira parte desmoronou. “Estava pescando quando ouvi um estalo forte e cedeu o primeiro lado de uma vez. Caiu tudo de um lado e depois foi caindo devagar na parte das carretas, até que cedeu tudo”, disse.

Uma área de 120 metros foi isolada de imediato. Os danos ainda não foram divulgados, mas é possível ver em meio aos sedimentos, 15 tanques de combustível, uma caminhonete e três motocicletas. Segundo o empresário Cláudio Henrique, minutos antes do acidente, ele estava ajudando a carregar um dos tanques com piche. “Estava na parte de cima do barranco, ajudando no carregamento. Nós vimos que estava cedendo, mas continuamos trabalhando. No terreno ao lado tinha um incêndio e sai para retirar minha motocicleta. Quando voltei já tinha caído tudo, não podíamos fazer mais nada”, disse.

O coordenador da Defesa Civil Municipal, Marcelo Santos, acredita que o peso sobre o barranco ajudou para que acontecesse a erosão. “Com a enchente histórica de 2014, muitos sedimentos foram parar nas laterais dos barrancos. As embarcações que passam no rio provocam o banzeiro, vai para lateral e desestabiliza o barranco. O local é um terreno argiloso, não tem aderência e causa o desbarrancamento, que é uma erosão fluvial. Foi o que ocorreu aqui no Bairro Triangulo”, disse.

O órgão disse ainda que os engenheiros estão no local para fazer o laudo e apontar as causas do acidente. Algumas famílias deve ser retiras da região, devido ao risco de novos desbarrancamentos.

 

FONTE: G1

ACESSE GANHE

 

 


 


 

 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.