Notícia publicada às 08:51:51 - 31/05/2016 e lida: 4463 vezes   
    
  
  
Laudo aponta que Vania, acusada de matar o ex-namorado é sociopata
Resultado da avaliação psiquiátrica foi divulgado pelo TJ-RO, em Vilhena.
Vania matou ex com 11 facadas; acusada vai responder judicialmente.

Laudo aponta que Vania, acusada de matar o ex-namorado é sociopata
Laudo aponta que Vania, acusada de matar o ex-namorado é sociopata
Foto: Eliete Marques

Por
Redação

A jovem Vania Basília Rocha, acusada de ter matado o ex-namorado a facadas durante o ato sexual, foi classificada como sociopata nos laudos médicos divulgados pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO). Segundo o judiciário, o resultado baseia-se no exame de sanidade mental realizado em Vilhena(RO), que apontou transtorno de personalidade antissocial, ou seja, sociopatia. Mesmo com o resultado, o TJ diz que Vania não pode ser isenta de responder pelos atos judicialmente, pois "apresentou plena capacidade de entender o caráter criminoso do fato". Vania  também deverá fazer acompanhamento psiquiátrico por recomendação médica.

Vania, que completou 19 anos em janeiro, confessou ter matado o ex-namorado no fim do ano passado, Marcos Catanio Porto: "Queria matar alguém. Fiquei olhando olho no olho até ele morrer", disse ela ao G1 na época. Segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML), o ex-namorado da jovem foi morto com 11 facadas. A acusada está presa atualmente no presídio feminino de Vilhena.

A avaliação que traçou o perfil psicológico da suspeita foi feita por um médico psiquiatra no dia 1° de abril e por um médico perito legista oficial, lotado na Delegacia de Polícia Civil de Vilhena, no dia 13 do mesmo mês.

Conforme o TJ-RO, embora o laudo aponte o transtorno, Vania "apresentou plena capacidade de entender o caráter criminoso do fato. Entretanto, a capacidade de determinação era reduzida ao tempo da ação, de modo que é imperioso o reconhecimento de sua semi-imputabilidade, com o prosseguimento do feito e em caso de eventual condenação, submetê-la a tratamento adequado".

Em entrevista, o defensor público de Vania, George Barreto Filho, comentou sobre o resultado. "O caso ainda está na fase de investigação. Se apresentarmos apenas a tese de doença mental, a sentença poderá ser decidida pelo magistrado presidente, sem precisar ir necessariamente para o Tribunal do Júri", informou o defensor público do caso, George Barreto Filho.

A defesa informou que, com o laudo divulgado só agora, existe a possibilidade da pena de Vania ser diminuída em até dois terço.

A recomendação do perito do juízo é que seja feito um acompanhamento psiquiátrico e psicológico, visto que Vania apresenta risco a terceiros. Com isso, é requerido vigilância e tratamento indicado pelo profissional da psiquiatria.

Crime e confissão
No dia 30 de dezembro de 2015, a vendedora Vania Basílio Rocha, até então com 18 anos, foi presa em flagrante após matar o ex-namorado a facadas. A Polícia Civil informou que o crime aconteceu na casa da vítima, no momento em que os dois iriam iniciar uma relação sexual. Enquanto estavam deitados na cama, a jovem pegou a faca, que estava escondida dentro da bolsa, e golpeou Marcos Catanio Porto, de 26 anos, em várias partes do corpo, que não resistiu aos ferimentos.

Após ser presa, ainda na delegacia, Vania relatou ao G1 que planejou o crime. Segundo ela, três nomes de possíveis vítimas foram colocados em uma lista: um amigo, um "ficante" e o ex-namorado. Na noite de terça-feira (29), ela ligou para os dois primeiros, que não puderam vê-la, pois estavam com a família.

Na manhã do dia 30, Vania ligou para Marcos alegando que queria se despedir, pois iria embora para outro estado. Ela então colocou uma faca de cozinha dentro da bolsa e foi para a casa da vítima, que havia aceitado receber a visita. O casal foi para o quarto e, durante as preliminares sexuais, ela esfaqueou o ex-namorado.

"Eu queria matar uma pessoa só, dos três. Eu tapei o olho dele. Aí peguei a faca e meti nele. Ele reagiu e veio para cima de mim e eu fui para cima dele também. Eu enforquei ele e aí comecei a meter [facadas] em outras partes do corpo dele. Daí, ele gritou socorro e a porta estava trancada. O irmão dele quebrou a janela. Quando o irmão dele entrou, ele já estava quase morrendo. Fiquei olhando olho no olho até ele morrer", narrou Vania (ouça a entrevista feita na época).

Últimas palavras
No velório de Marcos, em 31 de dezembro de 2015, Mauricio Jacob contou que estava na casa onde ocorreu o crime. "Ele morreu nos meus braços. 'Ela é louca' foram as últimas palavras dele. Perdi um irmão", lamentou o amigo da vítima. Mauricio lembrou que após chegar na residência, Vania foi para o quarto com Marcos.

Depois de algum tempo, Mauricio e o irmão da vítima, Alberto, ouviram gritos de socorro. "Arrombamos a janela, pois a porta estava fechada. Quando entramos, ele segurava o braço dela com a faca. Arranquei a faca da mão dela e joguei longe. Ela sumiu e o Tim foi caindo para trás, falando que ela era louca", contou Mauricio, emocionado.

Após o crime, Vania se escondeu no banheiro onde ficou até a chegada da Polícia Militar. Ela foi presa em flagrante por homicídio qualificado, pois usou de meios que dificultaram a defesa da vítima, segundo a Polícia Civil.

Polêmica no Facebook
Uma das publicações de Vania mais comentadas no Facebook foi o texto de um blog que tinha como título: "eu não fui uma má namorada, você que me tornou". Após ser presa e confessar que matou o ex-namorado, os uários criticaram a postagem. "Imagina se fosse boa", escreveu um jovem. "Louca, psicopata, parece que estava possuída pelo demônio", acrescentou outro usuário. A postagem foi feita dois dias antes do crime.

Meses antes de matar o ex-namorado, Vania declarou que o amava em uma postagem no Facebook. Ela publicou uma foto no perfil em outubro de 2013. Em 2 de junho de 2015, Marcos comentou: "Ti amo muito". No dia seguinte, a vendedora respondeu: "te amo, mais ainda”.

Vania disse em entrevista na delegacia que namorou com Marcos por nove meses, mas que estavam separados há dois meses.

Comportamento estranho
Desde o dia da prisão, a suspeita estava isolada das outras presas, em um processo chamado de triagem, que de acordo com a direção do presídio, é um procedimento comum a todas as presas que dão entrada na unidade. "Ela chega, fica dez dias sob observação para verificar o comportamento e a conduta com os agentes e depois disso vai para a carceragem com as outras presas", explicou, na ocasião o diretor Flavio Miranda.

Segundo a direção, Vania estava sozinha na cela pelo fato de outras mulheres não terem sido presas depois dela. No entanto, após apresentar comportamento estranho, relatado por agentes plantonistas, Vania foi colocada em uma cela mais próxima da carceragem, onde continuou sozinha.

No dia 11 de janeiro, a mulher foi transferida para uma cela comum, com mais quatro detentas e não tem apresentado problemas.

 

 

FONTE: G1

 

 


 



 COMENTÁRIOS
 

ATENÇÃO: Comentários ofensivos e que façam a apologia a crimes serão ocultados. O internauta do VILHENA NOTÍCIAS que se sentir ofendido pode requerer a ocultação do comentário. A Constituição Federal permite a publicação do livre pensamento de qualquer cidadão, desde que não seja de forma anônima, por isso, comentários provenientes de perfis "fake" ou "falsos" podem ser ocultados e bloqueados. Comente, compartilhe sua opinião, mas de forma moderada.